Forte presença italiana na Ligna

Acimall leva quase 300 expositores para Ligna e reforça presença italiana no principal evento mundial para indústria de transformação da madeira

Publicado em 12 de maio de 2015 | 9:13 |Por: Jorge Mariano

Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Divulgação Acimall

acimall

Entidade leva 299 expositores para Ligna 2015

Segundo informações da Associação Italiana de Fabricantes de Máquinas e Ferramentas para Madeira (Acimall), a delegação do país é mais uma vez a maior a estar presente na Ligna. A bienal começou ontem, em Hannover (Alemanha) e segue até o dia 15 deste mês.

No total, 299 expositores italianos, de diversas categorias de produtos, estarão com estandes na feira. A associação espera que devido à forte ligação das indústrias italianas com a corrente de design do país, os visitantes possam encontrar empresas com experiência, competência e know-how principalmente nos setores de produção e processamento de painéis, assim como excelentes exemplos na parte de acabamentos.

Leia mais:
Ligna começa mais uma edição
Investimentos alemães no Brasil
Indústria fala sobre a terceirização

A forte participação da Itália na Ligna é histórica. A indústria italiana possui atuação bastante focada no mercado alemão que, apesar de possuir bons fornecedores internos, ainda busca oportunidades de negócios com empresas estrangeiras. Além disso, a Ligna é uma vitrine global de tudo o que há de novo envolvendo trabalho com madeira e derivados. Dados da Acimall apontam que a Itália exporta mais de 75% de sua produção (1.670 milhões de euros em 2015, número 8,6% maior que no ano anterior) e procura feiras internacionais, principalmente a Ligna, como plataformas para alcançar metas de negócios em diversos mercados.

“A tradicional vocação forte de exportação das empresas italianas – mesmo em períodos de crise – faz jus aos valores que nossa indústria pode expressar”, diz o diretor da Acimall, Dario Corbetta. Para ele, qualidade, confiabilidade, inovação constante, boa relação custo/benefício são alguns dos motivos pelos quais as portas continuam abertas para os produtos “made in Italy”. “Como os números apontam, nossa indústria precisa apenas de um pequeno empurrão para retornar aos níveis em que estava antes de 2008”, completa.

De acordo com o diretor, a associação tem esperança de que após 2015 possam dizer que os tempos mais difíceis ficaram para trás. “Os sinais de retomada são tangíveis e tudo para sugerir que 2016 pode ser o início de um melhor ciclo econômico”, afirma. Parte do otimismo vem do fato de que a Xylexpo, maior feira italiana do setor, comemora 25 anos em 2016.

Para mais informações, acompanhe a cobertura da Ligna no eMobile.


Os comentários estão desativados.

eMobile