Adecol mantém atuação e operações após venda para H.B. Fuller

Segundo o vice-presidente para mercados emergentes da H.B. Fuller, Steve Kenny, a compra da Adecol não interfere na comunicação, atuação da marca no mercado

Publicado em 14 de novembro de 2017 | 17:49 |Por: Ricardo Heidegger

Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

No último mês de julho, a americana H.B. Fuller Company assinou um acordo para adquirir a companhia de adesivos industriais Adecol Indústria Química Ltda. A empresa, que tem como um de seus diferenciais o trabalho sob medida desenvolvendo formulações específicas para diferentes demandas, concluiu a transação com o objetivo de se tornar a maior fabricante de adesivos industriais da América Latina.

Segundo o  vice-presidente de mercados emergentes da H.B. Fuller, Steve Kenny, a compra da Adecol não interfere na comunicação e nos detalhes que aproximam a marca do mercado já estabelecidos pela marca. Mesmo com a transação que envolve a fabricante de adesivos industriais e a empresa americana, a marca Adecol continuará existindo no mercado, só que é considerada a partir de agora, uma empresa do grupo H.B. Fuller.

“Para comunicação externa, continua igual. Somos, agora, uma grande marca. A marca Adecol, claro, é extremamente valiosa. Por isso mesmo decidimos comprar o direito de usar a marca. Não passou pelas nossas mentes deixar de utilizar a marca Adecol”, afirma Kenny.

As operações em Curitiba e Guarulhos prosseguem da mesma forma, mas Kenny não descarta uma mudança no futuro. Já os produtos da fabricante de adesivos industriais Adecol, que são reconhecidos no mercado, continuarão existindo. O quadro de colaboradores da empresa segue o mesmo caminho, continuando o mesmo. A mudança fica por conta da diretoria, que agora é toda H.B. Fuller.

Divulgação Adecol

Fabricante de adesivos industriais

Kenny, afirma a tese da conta de 1 + 1 = 3 na formação de uma nova empresa com um futuro promissor

Kenny também mostra ânimo para um cenário de muito lucro e conquistas para a marca e para a empresa que acaba de passar pelo processo de venda. “Teremos muitos ganhos. É quase uma conta de 1 + 1 = 3. Uma empresa (Adecol) que, somada à outra empresa (H.B. Fuller), vão criar uma nova. Com possibilidades de ganhos e benefícios para todos. Ambas as marcas podem se beneficiar dessa aquisição, crescendo em mercados que, até então, não tinham tanta penetração”, aponta.

A venda também abre um caminho mais adequado para mais investimentos em inovações e novas tecnologias. Os investimentos das duas marcas focam na troca de experiências e conhecimentos das duas equipes, somando esforços para crescerem juntas em busca de estabilizar a Adecol como a maior e mais importante fabricante de adesivos industriais da América Latina.

O vice-presidente de mercados emergentes da marca também afirma que a transação possibilita o crescimento das duas marcas na América Latina. “Ambas têm um portfólio vasto em seus mercados. A Adecol pode crescer fora do Brasil e a H.B. Fuller pode crescer no Brasil. Além disso, produtos da H.B. Fuller que não são encontrados no Brasil, podem virar um produto Adecol. Da mesma maneira que produtos Adecol que não são encontrados fora do Brasil, podem virar um produto H.B. Fuller”, completa o profissional.

A H.B. Fuller

Fundada em 1887 por Harvey Benjamin Fuller, a empresa americana sempre teve como visão, formular adesivos inovadores, convenientes e econômicos. Seguindo esse espírito, a marca ainda permeia tudo o que fez até hoje, atuando como líder mundial em tecnologia adesiva. Ao longo da nossa história, a H.B. Fuller baseou-se no conhecimento adquirido no mercado para inovar  de forma contínua. A empresa preparou o caminho para adesivos como forma de melhorar produtos e vidas em todo o mundo. Hoje, o foco da marca é na inovação para reunir pessoas, produtos e processos que respondem e resolvem alguns dos maiores desafios de adesão do mundo.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

eMobile

Acompanhe o emobile nas redes sociais

Linkedin
Facebook