Esquadrejadeira: primordial na marcenaria

Precisão da esquadrejadeira para cortes retos, inclinados, ângulos compostos e ranhuras, faz da máquina essencial para qualquer marcenaria

Publicado em 28 de outubro de 2015 | 11:49 |Por: Thiago Rodrigo Pereira da Silva

Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

A esquadrejadeira é a máquina mais comum na marcenaria e é tema de reportagem da edição 93 da Móbile Sob Medida. Seus primeiros modelos, conhecidos hoje em dia como de “de chapa ou de varão” não oferecem a mesma qualidade de corte e precisão para cortes em ângulo que os equipamentos atuais. A máquina evoluiu em seu conceito construtivo e o mercado teve acesso à esquadrejadeira de “precisão”, que garante maior flexibilidade de corte, reto ou em ângulo, com alta produtividade e qualidade.

Divulgação Altendorf

Altendorf Esquadrejadeira

Esquadrejadeiras atuais podem ser toda automáticas

Mesmo na marcenaria atual em que com uma seccionadora, furadeira e coladeira, principalmente, são caracterizadas como máquinas básicas para um novo negócio no ramo, o papel da esquadrejadeira na produção do móvel não está restrito apenas como complementar. Ela proporciona a flexibilidade e torna fácil a alteração de dimensões para cortes de todas as partes em uma única chapa.

Modelos com riscador e eixo inclinável são opcionais muito requisitados pelo mercado sob medida. Além destes, há os que otimizam o uso da máquina, como abertura do batente da mesa fixa, acessórios para corte transversal da chapa, acionamento da serra com comando CNC, sistema automatizado de levantamento da serra principal, posicionamento de altura e inclinação da serra feito de forma eletrônica e movimentação da guia paralela feita de forma motorizada.

Divulgação Inmes

Inmes Esquadrejadeira

Detalhe da proteção de lâmina na norma CE: segurança sempre

Leia mais
Evolução das serras esquadrejadeiras
Polo de Arapiraca alavanca produção
Exportação para o setor moveleiro

Nos aspectos de desempenho da máquina, devem ser consideradas:
– Qualidade do corte e construtiva do equipamento;
– Capacidade de esquadro em precisão;
– Dimensões de corte (comprimento e largura do corte na guia paralela, além de altura);
– Possibilidade de cortes em ângulo (e se a indicação é digital ou analógica);
– Se é equipada com riscador;
– Suavidade do carro móvel;
– Fácil acesso a mudança de ajustes e setup;
– Tamanho e capacidade de peso da mesa móvel;

As fornecedoras SCM Tecmatic, Inmes, Altendorf, Maksiwa e Felder colaboraram para a reportagem. Para ler a matéria completa faça a assinatura da Móbile Sob Medida por telefone 0800-9791981. A revista também disponível no aplicativo para dispositivos móveis da Alternativa Editorial/Revista Móbile. Baixe o aplicativo para Android ou iOS e leia em primeira mão as novidades!


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

eMobile