Especial: Polo Moveleiro de Linhares (ES)

Esforço de empresários e representantes fazem de Linhares uma região competitiva e promissora

Publicado em 28 de dezembro de 2016 | 16:48 |Por: Pedro Luiz de Almeida

Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Promissora região para o setor moveleiro nacional, o estado do Espírito Santo concentra 434 unidades produtoras e reuni 6.641 trabalhadores. Destaque para o polo moveleiro de Linhares, que abrange os municípios da região norte do estado, com 13% das indústrias e 3.770 empregos. Os números são preliminares do Relatório Setorial da Indústria de Móveis no Brasil 2016, referente a 2015, elaborado pelo Iemi com apoio Abimóvel.

O prefeito de Linhares, Jair Correa, lembra: “Temos o 6º maior polo moveleiro do Brasil, que projeta Linhares para o cenário nacional com design e produtos inovadores”. Além disso, reforça medidas que o município toma para auxiliar as indústrias no que se refere à instalação e ampliação, como incentivos fiscais e redução de impostos.

Para o presidente do Sindicato das Indústrias da Madeira e do Mobiliário de Linhares e Região Norte do Espírito Santo (Sindimol), Alvino Pessoti, o Brasil atravessa um momento econômico nunca visto, mas ressalta que estão trabalhando para superar isso. “Estamos exigindo dos empresários muito tempo e dedicação na busca por soluções e inovações que nos permita retomar o rumo do crescimento e do desenvolvimento de forma sustentável”, pontua.

Divulgação Istock

polo moveleiro

Em 2015, polo moveleiro de Linhares concentrou 83,1% da produção de móveis e colchões do estado

Futuro exponencial
Como reflexo das ações das entidades temos a Placas do Brasil S/A, empresa que investiu na construção da primeira fábrica de MDF do Espírito Santo. Instalado no município de Pinheiros o empreendimento deve iniciar as atividades no começo de 2018 e gerar 600 contratações. Em operação, a nova fábrica deverá produzir MDF cru e revestido. “Ela está projetada para fabricar 300 mil m³/ano. Teremos capacidade para atender toda a demanda do ES, além de exportar o excedente para estados vizinhos”, comemora o presidente.

Segundo o presidente do conselho de administração da empresa, Luis Soares Cordeiro, serão investidos no projeto R$ 388 milhões. Os recursos são oriundos dos próprios acionistas, financiamentos pelo Banco do Brasil, com recursos da Sudene-FDNE e o Banco Alemão LBBW com recursos do Euler Hermes, organismo do governo alemão de incentivo a exportação dos equipamentos a serem aplicados na linha de processo.

Mais novidades
O Governo do Estado deu sinal verde para a construção do Polo Empresarial de Linhares, segundo informações da Prefeitura do município. De acordo com o comunicado, em maio deste ano houve a assinatura do memorando de entendimento entre a Mlog, operadora de terminais portuários e de soluções logísticas em navegação, o Governo do Estado e a Prefeitura de Linhares, para a instalação de um distrito industrial no município.

O conjunto de empreendimentos será instalado em uma região entre Povoação e Pontal do Ipiranga e terá nove unidades: polo de distribuição (multimodal), zona de processamento de exportação, polo moveleiro, zona de armazenamento e silos, condomínio de serviços, concretaria, zona de processamento (aço e granito), condomínio industrial e polo gás/químico.

A futura décima unidade do distrito deverá ser um porto. A intenção é atrair com infraestrutura e localização estratégica, indústrias dos setores de petróleo e petroquímica, serviços logísticos, metalmecânica e rochas ornamentais. A área total do projeto chega a 1,2 mil hectares.

“O Espírito Santo situa-se na região mais populosa do País, na porta da região Nordeste que é um grande consumidor e ainda é cortado pela BR 101, que facilita muito a logística de nossas mercadorias”, Lúcio Mauro, diretor da Móveis Peroba.

Opinião de casa
Há 30 anos em atuação, a ACP Móveis nota muitas mudanças no mercado de Linhares que contribuíram para o fortalecimento da empresa, segundo a gerente comercial da marca, Nariane Ferreira Reis. Entre elas, a criação do polo moveleiro e incentivos fiscais criados pelo Governo do Estado.

Para o diretor-presidente da Móveis Rimo, Luiz Rigoni, o último ano não foi fácil, assim como este. “Os resultados são mínimos e a empresa está em constante movimentação comercial, industrial e administrativa, buscando opções de custos, melhorias produtivas, novos mercados, tudo para superar o momento e poder crescer no futuro”, comenta.

A matéria completa pode ser conferida na edição 330 da revista Móbile Lojista

*Reportagem original de Júlia Magalhães


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

eMobile