A escolha da fita de borda

As considerações a serem feitas para a escolha da fita de borda para o móvel vão além do material feito ou da marca do produto

Publicado em 13 de dezembro de 2014 | 9:33 |Por: Thiago Rodrigo Pereira da Silva

Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Divulgação CPI|Tegus

CPI|Tegus

Fidelidade da fita ao padrão da chapa é um dos fatores de escolha

Seja em móveis de maior valor agregado ou populares, a escolha da fita de borda para o projeto mobiliário de indústrias e marcenarias deve levar em conta os principais requisitos do produto. Não descolar e não amarelar, são características que mais chamam a atenção do consumidor com o passar do tempo. Itens como a manutenção de formato, cor e acabamento do padrão, ou seja, a fidelidade ao padrão do painel de madeira, obrigatoriamente são quesitos de suma importância pelos fabricantes de móveis para oferecer seu produto com acabamento impecável. Além disso, a fácil aplicação no chão de fábrica é outro fator a se considerar para a escolha do produto.

“Existem pontos em comum para a escolha da fita de borda independente do tipo de móvel no qual ela será utilizada, entre eles podemos citar a qualidade do acabamento na aplicação, capacidade de aderência e colagem, a harmonia com o painel, a qualidade da impressão e a resistência a luz”, afirma o diretor comercial da CPI Tegus, Marcelo Gama.

Leia mais
Veja como credenciar para Fimma Brasil
Akeo inicia fabricação de fita de borda
Fita de borda: mais que um detalhe

Para o gerente de operações da Artecola, Rafael Müssnich, os principais requisitos para a escolha de fitas de bordas para móveis populares e de maior valor agregado devem ser os mesmos. “Todavia, é sabido que há um foco em preço nos produtos mais populares, o que exige a escolha por materiais que consigam compor essas características com um valor competitivo, o que fatalmente altera alguns aspectos”, diz.

Para os móveis de maior valor agregado, fabricados com painéis de BP, Gama indica as fitas de PVC. “Elas proporcionam um nível de acabamento elevado ao produto”. Já para móveis populares seriados, ele aponta o uso de fitas melamínicas. “Devido ao menor custo do produto e de sua aplicação”, observa.

Em termos de qualidade, quando se busca agregar valor ao móvel, também há a opção de utilizar fitas de borda com maiores espessuras como 1 e 2 mm, por exemplo, ao contrário de móveis populares, que com a demanda por preços acessíveis, as bordas finas nos móveis são mais presentes.

Divulgação Tabone

Fitas de borda

Fitas de maior largura proporcionam maior flexibilidade aos projetos

Outra questão é a flexibilidade de larguras das fitas. Há empresas que oferecem a venda de cores brancas e madeiradas em formato de bobina, por meio da produção em calandra. “Uma fita de borda em largura de 275 mm, por exemplo, permite aplicação em tampos ou laterais com chapas de maior espessura. Ou seja, com esta oferta há maior flexibilidade do designer e projetista na hora de desenhar o móvel e, por consequência, este consegue agregar mais valor ao projeto”, assinala o coordenador de marketing e produto da Proadec, Ricardo Schartner.

A supervisora de marketing da Lamiecco, Fabiane Chemale Selistre, aponta que “nos móveis de baixo valor agregado, onde a diferenciação não é o valor principal, sendo o preço o valor principal, fica muito difícil incluir fitas de borda de maior valor agregado. Assim, o custo final do móvel sofrerá elevação e a consequente não absorção pelo nicho de público a que se destina”.

Composição

Segundo a gerente de marketing da Formica®, Eunice Monteiro, a fita de borda tem uma função diferente do que se achava no passado – de que ela deveria ser exatamente igual ao restante da composição do móvel. “Hoje é mais que provável que a fita possua a propriedade de melhorar o acabamento de bordo, porém, aliada a uma composição harmônica, consegue-se aplicar em texturas e cores diferentes, valorizando o móvel, evidenciando topos que antes ficam escondidos”, comenta.

Eunice acrescenta que é necessário o bom senso na hora de compor as cores, respeitando o nicho que será trabalhado e o gosto do cliente. “Seja para um público de maior valor agregado ou para móveis populares. Esta possibilidade de quebra de paradigmas pode servir de oportunidade de criação para o designer da indústria e para o marceneiro, como uma alternativa de misturar e apresentar-se à frente de uma tendência promissora nos mobiliários brasileiros”, enfatiza.

Clique aqui para ver uma tabela de dados gerais dos fabricantes fitas de borda. No documento, é possível conferir informações das fabricantes de fitas de borda do mercado brasileiro.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

eMobile