Escola de marcenaria pode fechar por falta de incentivo

Há cerca de 15 dias de encerrar a campanha de financiamento coletivo, lançada com o intuito de arrecadar fundos para manter à escola Pau-Brasil, a ONG Gira Solidário arrecadou pouco mais de 10% do valor necessário

Publicado em 29 de novembro de 2016 | 13:16 |Por: Pedro Luiz de Almeida

Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Atuando em Campo Grande (MS), desde 2002, a Organização não Governamental (ONG) Gira Solidário está promovendo uma ação de crowdfunding com o objetivo de manter a escola de marcenaria Pau-Brasil, ação que ensina a profissão de marceneiro, de forma gratuita, para jovens de 17 a 21 anos.

Reprodução/kickante

escola de marcenaria

Qualquer pessoa pode contribuir com a ação, doações variam de R$ 20 a R$ 10 mil

“Os alunos da Escola Pau Brasil têm a oportunidade de se tornarem profissionais da marcenaria, do design de móveis e do empreendedorismo. Unindo os recursos da arte e de uma nova formação, o projeto oferece aos jovens diferentes perspectivas de futuro e uma consciência de cidadania”, explica a diretora-presidente da Gira Solidário, Eliane Brunet.

Para que a escola não feche as portas e deixe de atender os jovens beneficiados com o programa, ela precisa arrecadar  R$ 50 mil. Este valor assegura o funcionamento da escola de marcenaria para o próximo ano, contudo, captar patrocinadores é fundamental para contribuir com o futuro da iniciativa a longo prazo.

O financiamento se encerra no dia 16/12 e até o momento arrecadou cerca de R$ 6.400. Para contribuir com o projeto, basta acessar o site onde a campanha esta hospedada, disponível aqui. Além de contribuir com o projeto, cada doação dá direito a uma recompensa.

Desafio
Segundo a dirigente da ONG, a maioria dos incentivos que a escola de marcenaria recebia eram provenientes de patrocinadores europeus, que enxergavam a necessidade de investir em iniciativas em nosso País. Contudo, com os crescentes escândalos políticos, econômicos e sociais, os investidores estrangeiros perderam a confiança em projetos brasileiros.

“Essa é a possibilidade de colaborar com a manutenção de um projeto em franco funcionamento desde 2006, de uma ONG transparente e que tem mudado para melhor a vida de inúmeros jovens e suas famílias, por meio do trabalho e da formação especializada. Uma oportunidade de cada pessoa ‘ser a mudança que quer ver no mundo’, não importa se é 20 reais ou 10 mil, essa é a chance de fazer a diferença no futuro de meninos e meninas”

“Apesar de toda a transparência com que atuamos desde 2002 em Mato Grosso do Sul, esses financiadores ficam receosos. E também esperam que o empresariado nacional colabore para a formação e manutenção de projetos como o nosso, que visa preparar adolescentes e jovens para serem profissionais que ingressem no mercado de trabalho sendo profissionais de alto nível e cidadãos conscientes”, desabafa Eliane.

Conscientização
De acordo com a responsável pela ONG, os recursos iniciais e maquinários da escola de marcenaria foram doados por empresários da Suíça e Áustria. A Escola Pau-Brasil visa formar profissionais de alto nível, por isso, opta por trabalhar com um número reduzido de jovens, cerca de 12 por ano. Fato que Eliane cita como um empecilho para captar apoio de empresas nacionais.

“Isso costuma não encher os olhos do empresariado brasileiro, que fica desejoso de participar de projetos que atenda centenas de jovens de uma única vez, sem levar em consideração o que efetivamente esse jovem está agregando a sua vida prática, cotidiana e futura. Nós não temos como afirmar com exatidão o que falta para os empresários brasileiros apoiarem, mas é um fato que a cultura do investimento em responsabilidade social a longo prazo é um dos fatores”, justifica Eliane.

Divulgação GIRA Solidário

escola de marcenaria

Stephan Hofmann (centro), fundador da ONG e coordenador da Escola Pau-Brasil, junto com os alunos da escoa de marcenaria

Sobre a Gira Solidário
Fundada em 26 de janeiro de 2002, por iniciativa do publicitário suíço Stephan Hofmann e das jornalistas Patrícia Nascimento e Moema Urquiza, a Organização Não Governamental (ONG), sem fins lucrativos, Gira Solidário – Promoção e Defesa da Infância e Adolescência, nasceu com o propósito de se tornar uma agência de comunicação especializada em direitos da criança e do adolescente, com atuação em Mato Grosso do Sul.  No segundo ano de atividade, expandiu sua atuação, dando início a projetos sociais de atendimento direto e ações de mobilização da sociedade, com o objetivo de promover e defender ativamente os direitos infanto-juvenis.

Mais informações na página do Facebook da ONG, ou por meio do telefone:  (67) 3384-8400


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

eMobile

Acompanhe o emobile nas redes sociais

Linkedin
Facebook