Entrevista: novo presidente do Sindimol fala das ações para o polo

Com mandato até 2020, a diretoria recentemente eleita do Sindicato das Indústrias da Madeira e do Mobiliário de Linhares e Região Norte comenta sobre suas próximas ações e perspectivas

Publicado em 31 de agosto de 2017 | 17:01 |Por: Ricardo Heidegger

Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Focando em uma estabilidade mais eficiente dentro do polo moveleiro de Linhares (ES), o Sindicato das Indústrias da Madeira e do Mobiliário de Linhares e Região Norte (Sindimol) elegeu sua nova diretoria, que tomou posse no dia 01 de julho deste ano e tem mandato válido até 30 de junho de 2020. A instituição agora conta com o presidente que atua na Cimol Comércio e Indústria de Móveis Ltda, Ademilse Guidini.

Divulgação Sindimol

Presidente do Sindimol

Ademilse Guidini estará a frente das decisões do Sindimol até 2020

Como vice-presidente, está Nicholas Pessoti, que atua na ACP Móveis Ltda. O secretário que participa das atividades da Esquadrias São Rafael Ltda, Rafael Gatti Armani, e o tesoureiro que também trabalha na MGM Móveis Ltda, Bruno Barbieri Rangel, completam o quadro de da diretoria.

Em entrevista exclusiva com o Portal eMóbile, o novo presidente do Sindicato das Indústrias da Madeira e do Mobiliário de Linhares e Região Norte, Ademilse Guidini comenta sobre os próximos passos do Sindimol no setor moveleiro da região. O sindicato busca soluções e novas perspectivas dentro do cenário atual do mercado. Também possui uma página no Facebook, além do site que conta com mais informações sobre trabalhos futuros da instituição. Confira:

Portal eMóbile | Quais são as ações que a nova presidência do Sindimol planeja executar?
Ademilse Guidini | Nosso foco principal é a sustentabilidade do sindicato, aliada a uma política de fortalecimento do associativismo. Isso além do fortalecimento de parcerias institucionais que possam auxiliar o Sindimol na articulação de ações estratégicas que promovam o desenvolvimento do setor da madeira e do mobiliário da região norte do Espírito Santo. Para isso, estamos renovando nosso planejamento estratégico e estabelecendo comissões internas que, além de darem apoio às decisões da diretoria, ampliam a participação do associado nos processos do sindicato, criando um capital social importante para o alcance dos nossos objetivos.

Portal eMóbile | Qual tipo de apoio o sindicato pretende fornecer ao polo moveleiro da região?
Guidini | Primeiramente incentivar as empresas a continuarem inovando ou renovando seus processos, sejam eles de produção, administrativo ou de vendas, bem como manter o otimismo diante de tanta adversidade. Pode parecer óbvio, mas são atitudes que têm contribuído bastante para enfrentarmos a crise. Além disso, o Sindimol está articulando parcerias para criar um novo ambiente de negócios, que seja favorável ao crescimento e ao desenvolvimento das indústrias da madeira e móveis de nossa região, focado na inovação e aumento da produtividade.

Portal eMóbile | Qual a análise de polo moveleiro da região neste ano na visão do Sindimol?
Guidini | Começamos o ano ainda com muita instabilidade e incertezas, com uma queda considerável no faturamento no primeiro trimestre em relação ao ano passado, que já havia sido um ano ruim. De abril em diante verificamos uma pequena melhora, mas ainda não podemos dizer que “o pior já passou”, mas que nos faz acreditar em um segundo semestre com um bom resultado para o nosso polo. Diante da atual situação, é muito difícil prever o resultado final, mas nossa expectativa é que pelo menos tenhamos um saldo pequeno, mas positivo.

Especial: Polo Moveleiro de Linhares (ES)

Portal eMóbile | Existem empresas dentro do setor moveleiro que fecharam ou ainda passam por dificuldade no cenário atual?
Guidini | São fatores inevitáveis em cenários como o qual estamos enfrentando. Mas é importante ressaltar que ao mesmo tempo em que tivemos baixas, temos também empresas que conseguiram se desenvolver. Elas mantiveram investimentos mesmo que baixos, mas que conseguiram resultados relevantes durante esse período.

Portal eMóbile | Na avaliação da nova diretoria do Sindimol, qual a perspectiva para o setor
moveleiro de Linhares e Região?
Guidini | Com certeza nossa perspectiva principal é retomar o ritmo de produção e rentabilidade da indústria moveleira e madeireira da nossa região. Recuperar as perdas dos últimos dois anos. Estamos ainda sobre o efeito desta crise econômica que tem afetado não só a indústria, mas a maioria dos setores da economia. Uma das maiores apostas que temos é a chegada de uma fábrica de chapas na nossa região, a Placas do Brasil, que será inaugurada no primeiro semestre de 2018, pode representar ganhos de produtividade e redução dos custos com fretes e estoques para nossas empresas, aumentando consideravelmente nossa competitividade no mercado nacional.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

eMobile