Inovação e sustentabilidade norteiam 5ª edição da Entre Pregos e Cavacos

Os alunos participantes da dinâmica pedagógica foram avaliados sob a ótica do crescimento populacional e dos novos modelos imobiliários

Publicado em 26 de setembro de 2017 | 18:01 |Por: Thiago das Mercês

Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Palco de diversas palestras, mostras e painéis, a 8º Congresso Nacional Moveleiro, realizada na Fiep nos últimos dias 21 e 22, recebeu a finalíssima da oficina Entre Pregos e Cavacos. Trata-se de uma iniciativa do Colégio Sesi (PR), em parceria com o Senai (PR), que visa apresentar aos alunos a realidade do setor moveleiro.

A dinâmica pedagógica consiste na criação do projeto de um móvel. Os estudantes precisaram descrever a peça, listar os materiais a serem utilizados e elaborar uma representação gráfica. Criada em 2013, a oficina teve como tema, nesse ano, a ‘Longevidade’.

Os alunos participantes da Entre Pregos e Cavacos tiveram seus projetos avaliados por uma comissão julgadora, seguindo as premissas de inovação e usabilidade. Durante o Congresso, os dez finalistas exibiram virtualmente seus projetos – que receberam uma elaboração técnica de engenharia – na Estação Sesi Senai criada dentro do congresso.

Reprodução

Entre Pregos e Cavacos

O conjunto de carregamento presente na mesa facilita a utilização de aparelhos eletrônicos

Para eleger o vencedor da competição, foi realizada uma votação por meio do aplicativo para smartphones do congresso. Os finalistas da competição tiveram que negociar com os visitantes do evento a venda de seus projetos.

Quem foi ao Congresso e possuía o app, pode comprar os projetos dos estudantes utilizando uma moeda fictícia chamada ‘cavaco’. Os alunos precisaram abordar os visitantes e convencê-los a fechar o negócio. No fim, o comprador escolhia o valor a ser pago pelo móvel. A equipe que obteve o melhor desempenho em vendas sagrou-se campeã da Entre Pregos e Cavacos.

Vencedor
Foi o caso da equipe do Colégio Sesi Assaí, que apresentou a Cozinha Longevus. Pensando nos imóveis que, hoje em dia, são cada vez menores e mais compactos, a equipe desenvolveu uma peça voltada para pessoas que moram sozinhas, como universitários. O móvel compreende uma pia com um espaço para frigobar e para um banco embutido. Tem, também, uma mesa retrátil representada como uma gaveta e um espaço pra uma lixeira inox.

A integrante da equipe Sesi Assaí, Ketheleen Santos, vê o Congresso moveleiro como uma importante oportunidade. “É muito bom porque a gente até recebe algumas propostas. É uma oportunidade única. A gente também leva muita experiência daqui [congresso]. É um evento incrível”, relata. Como prêmio, a equipe de Assaí ganhou uma viagem para o Salão de Gramado (RS).

Outro projeto de destaque no evento foi a Poltrona Dekampe, de uma equipe do Sesi Bandeirantes. De início, o móvel se resumia a uma poltrona antiga com uma mesa em sistema sanfonado. Após a avaliação de que este sistema poderia oferecer riscos a crianças, por exemplo, surgiu a ideia da instalação de um puff e um braço de apoio. A peça, feita com madeira de reflorestamento, é ideal para gestantes e lactantes.

A Mesa Tec, projeto de outra equipe do Colégio Bandeirantes, é um móvel público. Os alunos pensaram numa peça voltada para quem trabalha fora de casa. Totalmente de madeira, a Mesa Tec possui um espaço central em que é possível utilizar notebooks, tablets, e realizar atividades outras atividades simultaneamente, como almoçar, estudar etc..

Reprodução

Entre Pregos e Cavacos

A Mesa Tec é ideal para quem precisa trabalhar fora de casa, ou enquanto almoça ou estuda

A mesa conta com um conjunto de carregamento, equipado com uma tomada de três pinos, uma entrada USB e um mecanismo para carregamento sem fio. Além de tudo isso, a equipe, representada no evento por Fernando Neto, pensou em acessibilidade. O móvel possui um banco para cadeirantes. “Nada mais justo que todos possam utilizar a mesa”, destaca Neto.

Pensando nas tradições do povo sulista, a equipe do Sesi Cascavel produziu um móvel diferente: o Chimarródromo. A peça é fruto da adaptação do carretel de cabos de energia, que resultou numa mesa redonda ideal para rodas de Chimarrão. O bacana do projeto é seu caráter sustentável, pois se baseia na reutilização de um produto que seria descartado.

– 8º Congresso Nacional Moveleiro encerra com palestra sobre a cadeia de valor do mobiliário

Todos os estudantes envolvidos na oficina Entre Pregos e Cavacos foram desafiados a pensar em móveis que remetessem às lembranças, à família e às memórias, sem esquecer, porém, da sustentabilidade. Com o crescimento desenfreado das cidades, ideias inovadoras de design podem ajudar a frear a cultura de descarte que, de acordo com uma das professoras responsáveis pela oficina, Estela Mara, vem imperando na nossa sociedade. “Hoje, a gente vive numa sociedade em que o consumo está exacerbado”, alerta a professora.

Colocação final do projeto Entre Pregos e Cavacos
1º – Sesi Assaí – 2.945.000 cavacos
2º – Sesi Cascavel – 2.440.000 cavacos
3º – Sesi Guarapuava – 2.340.000 cavacos
4º – Sesi Toledo – 2.265.000 cavacos
5º – Sesi Bandeirantes (equipe 1) – 1.540.000 cavacos


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

eMobile

Acompanhe o emobile nas redes sociais

Linkedin
Facebook