Ensaios laboratoriais melhoram a qualidade dos móveis

Luciana Barreto Adad, do Tecpar, apresentou durante o Paraná Móvel, diversos cases para mostrar como a qualidade de um produto é fator de competitividade, ainda mais, em períodos de crises

Publicado em 28 de junho de 2016 | 9:32 |Por: Pedro Luiz de Almeida

Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

 

Cleide de Paula

ensaios laboratoriais

Palestrante alerta para que as fabricantes não confiem inteiramente nos seus fornecedores

Durante o Paraná Móvel, evento que aconteceu nos dias 23 e 24 de junho, na sede do Sebrae/PR, em Curitiba, diversos profissionais apresentaram soluções para os empresários melhorarem seus negócios em período de crise. Luciana Barreto Adad, que trabalha há 10 anos no Tecpar, chamou à atenção dos empresários do ramo moveleiro, em sua palestra: “Vantagem Competitiva com Inovação Tecnológica do Mobiliário”. Segundo ela, que atua no Laboratório de Tecnologia em Madeira e Mobiliário do Tecpar (Instituto de Tecnologia do Paraná), e lida constantemente com a realidade dos móveis: “Muitos fabricantes  estão perdendo dinheiro e oportunidades de negócios, por conta de coisas muito simples em seus produtos”.

Editais do Ministério Público
Todos os requisitos que um móvel precisa atender para estar em conformidade legal, estão previstos pela Associação Brasileira de Normas Técnicas – ABNT, e são de diversas naturezas, como, resistência, matéria-prima, espessura, peças, dentre diversas outras. No Paraná, o Laboratório de Tecnologia em Madeira e Mobiliário do Tecpar é creditado pelo Inmetro, para efetuar ensaios laboratoriais e atestar tais conformidades em móveis.

Tipos de ensaios laboratoriais realizados:
– Estabilidade, resistência e durabilidade em móveis de escritório;
– Avaliação da conformidade com especificações;
– Móveis escolares;
– Requisitos e ensaios para superfícies pintadas;
– Revestimento/Dureza ao Lápis;
– Revestimento: Abrasão Taber;
– Painéis: Umidade, densidade, colagem e Índice de Formaldeído.

Luciana Barreto Adad, explicou que a maioria das fabricantes, só procuram o serviço do laboratório quando precisam atender as normas previstas nos editais de licitação do Ministério Público, “Esses editais representam uma grande oportunidade de negócios, contudo, os empresários precisam pensar na qualidade de seus produtos sempre”, afirmou a palestrante.

Devido à negligência em submeter os produtos aos ensaios laboratoriais antes da fabricação em larga escala, erros simples no processo produtivo podem ocasionar transtornos e prejuízos aos empresários que vencem essas licitações. Uma vez que quando submetidos aos processos de avaliação de conformidade com especificações, falhas são encontradas.

Cases
Para ilustrar a gravidade do problema e chamar a atenção dos empresários, a profissional apresentou algumas histórias que teve a oportunidade de lidar. No primeiro case, uma empresa venceu um edital no valor de R$ 662 mil, envolvendo a comercialização de  160 armários de metal de duas portas e três prateleiras cada. O problema surgiu quando, durante os ensaios, as prateleiras apresentaram deformação maior do que o permitido. “Nesse caso, o fabricante precisou trocar todas as prateleiras, porém, ela já tinha entregue os armários, ou seja, além de perder matéria-prima, precisou deslocar um funcionário para todos os lugares e fazer a substituição. Isso mostra, que a qualidade de uma coisa simples, como uma prateleira, faz toda a diferença”, explicou Luciana.

Em outro exemplo citado, esse, um edital que previa a compra de cadeiras giratórias no valor de R$ 1 milhão, o erro constatado não foi no produto, e sim, na especificação do documento. “O edital previa um tipo de aço, e durante os ensaios, constatamos que o aço das cadeiras não atendia as especificações, porém, era um aço de boa qualidade, e devido a expertise do profissional, justificamos a qualidade do produto”, relembra Luciana. Ainda na palestra, ela citou exemplo mais simples que poderia ter sido resolvido na própria empresa, como uma espessura de tampo que estava abaixo do desejado, onde um paquímetro teria resolvido o problema.

Shutterstock

ensaios laboratoriais

A diferença de ambos os casos, para Luciana, é que o primeiro poderia ser feito adequação, já o segundo, não teria como trocar o aço das cadeiras sem perder todo o produto, caso este não fosse aprovado

Visão
A profissional do Tecpar finalizou a palestra com a crítica, “A indústria moveleira precisa pensar fora da caixa, não no sentido tradicional do termo, mas no sentido de abrir a caixa do produto e usar ele”. Além dos serviços de ensaios laboratoriais, o Tecpar também oferece serviços de estudos estratégicos e análise do processo de fabricação como um todo. “Nós queremos ajudá-los a melhorar o seu produto que já é bom”, convida Luciana.

Contatos
madeiras@tecpar.com.br
(41) 2104-3322
(41) 2104-3323


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

eMobile