Consumidores optam por cama-box e são motivados por mudança

A maioria dos consumidores de baixa renda puderam escolher por colchão “cama-box” em sua última compra; mudanças de imóvel é o principal incentivo para adquirir produto

Publicado em 21 de fevereiro de 2017 | 15:03 |Por: Phaenna Assumpção

Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

O Iemi – Inteligência de Mercado, realizou recentemente uma pesquisa sobre o comportamento do consumidor de colchões. O estudo mostra um dado interessante: a maioria (45%) dos consumidores de baixa renda (poder de compra qualificado na categoria D/E), já puderam optar por um colchão “cama-box” em sua última compra. Entre os consumidores de colchões de molejo, porém, predominam ainda os de maior renda, uma vez que esta tecnologia, ainda é mais cara que a dos colchões de espuma.

“Desde a chegada das primeiras versões dos colchões (de molejo ou espuma) combinados com a cama-box, no mercado brasileiro, este produto se tornou rapidamente o mais desejado dos consumidores, dando início a um processo de substituição das tradicionais camas de madeira e metal. No início, por serem mais caras, muitas delas importadas, se tornaram privilégio dos consumidores com renda mais elevada. Com a nacionalização deste produto e de seus componentes, juntamente com o ganho de escala, seus custos foram ficando reduzidos, tornando-se mais acessíveis para as pessoas de baixa renda”, informa o diretor do Iemi, Marcelo Villin Prado.

Comportamento consumidor de colchão

Motivação para compra
Entre os diferentes momentos de vida dos consumidores, na ocasião da última compra, a maioria (28,6%) alegou a mudança para um imóvel maior. Os que alegaram a mudança para morar sozinho somaram 8,5%; e 3,2% foram motivados pela a mudança para um imóvel menor. Somados, observa-se que 43% das motivações de compra do produto estão relacionadas à mudança ou reforma de um imóvel.

Leia mais
– Sindimol vê 2017 como um ano de muita cautela
– Para compra de móveis veja quais são as principais razões
– Amoesc aposta em redução de custos para reverter a crise

Já 18,7% dos consumidores justificaram a substituição do colchão por conta do desgaste ou envelhecimento do produto, redecorando o quarto por conta dos filhos, entre outros.

Comportamento consumidor de colchão IEMI 4

Metodologia
A amostra pesquisada foi constituída por pessoas de ambos os sexos, com idade acima de 18 anos, de todas as classes sociais, de todo o País. Ao todo, participaram voluntariamente da pesquisa 1.253 consumidores de colchões. O universo de pesquisados proporciona uma excelente cobertura amostral e garante ótima representatividade aos resultados.


Os comentários estão desativados.

eMobile