Eduardo Tevah aborda inspiração para mudança no Congresso Moveleiro

Palestrante conclamou para empresários e gestores mudarem seu olhar e assumir um compromisso de pensar diferente

Publicado em 16 de setembro de 2016 | 16:28 |Por: Thiago Rodrigo Pereira da Silva

Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

O melhor ficou para o final na 7º edição do Congresso Nacional Moveleiro. O empresário, diretor-presidente da D&E Consultores Associados e professor titular da N Produções, Eduardo Tevah, ministrou a palestra “Repensando a forma e reinventando sua empresa para o mercado” tratando sobre o tema do 7º Congresso Moveleiro. Abordando uma fala de gestor para gestor, o objetivo de Tevah foi inspirar os empreendedores presentes a serem melhores e terem sucesso na vida profissional.

O empresário iniciou dizendo que é apaixonado por uma ideia, a de que sempre se pode ser melhor e que mentalidade é uma palavra importante e decisiva para as pessoas. “Você é uma pessoa em evolução, se aprimorando e que busca sua melhor versão de você mesmo?” indagou o palestrante, que também questionou que tem encontrado pessoas que são velhos de 30 anos. “São mente fechadas, não aceitam receber uma crítica”. Por outro lado, uma curiosidade é que tem encontrado mais jovens de 60. “A tua mental idade, a capacidade que você tem de se reinventar definirá o futuro do seu trabalho e o futuro de sua própria realização profissional”, sinalizou.

Pedro Luiz de Almeida/Revista Móbile

Congresso Moveleiro Eduardo Tevah

“O que quebra uma empresa não é o mau atendimento, é o atendimento indiferente”, frisou Eduardo Tevah

Economia
Eduardo Tevah comentou sobre a economia brasileira apontando que o pior já passou, mas não significa que já está bom, impulsionando os empresários visitantes a se prepararem para um novo momento. “Desafio para 2016: sobreviver. 2017, viver e 2018 em diante, desfrutar. Se a economia brasileira evoluir, uma outra coisa está clara que acontecerá no mercado e se tem uma palavra que define o mercado hoje em todas as fases é a hipercompetição”, alerta.

Um conselho simples que o empresário deu para os visitantes que querem ter sucesso é esquecer fatos como o novo presidente Michel Temer, da taxa de juros, do preço da soja, pois os empresários devem sair do evento com outro foco: “Mergulha dentro da tua empresa e transforma ela em um centro de excelência, entendendo que de hoje em diante não tem mais mercado para quem trabalha bem, só tem mercado para quem trabalhar com excelência”, frisou e ressaltou: “Quem trabalhar com excelência buscará o mercado e quando vier a fase de 2017 para 2018, colherá os frutos como nunca colheu”.

O círculo de preocupação e de influência foi apontado por Tevah como algo que todo o ser humano tem, mas o segundo tem de ser maior, e as pessoas devem parar de se preocupar com tudo que não pode mudar. Após essa explanação, o palestrante mostrou quatro caminhos essenciais para repensar uma empresa. “Hoje, no encerramento do congresso, quero que assuma um compromisso com a inovação, de parar de ser escravo do passado e abrir a mente para o novo”, disse, antes de iniciar os tópicos.

1 – Definir com clareza os diferenciais competitivos e buscar a inovação
“A palavra mais importante do mundo dos negócios atende pela diferenciação. O grande norte estratégico é esse”, disse Eduardo Tevah, que instigou os visitantes a se fazerem “a pergunta mais importante do mundo dos negócios”, que é: Por que alguém deveria comprar comigo e não com meus concorrentes?

“Quais são meus diferenciais competitivos? O seu diferencial competitivo é preço, entrega, prazo e qualidade? A próxima pergunta a ser feita é seu os clientes percebem o seu diferencial competitivo? Senão é só mental, e não mercadológico. E, por último, os meus funcionários sabem disso? Neste caso, teve um cliente que disse pra mim o diferencial competitivo dele era rapidez de entrega e o pessoal da expedição não sabia”, comentou.

Leia mais
Congresso Moveleiro: parceria entre profissionais e fornecedores 
Congresso Moveleiro: gestão da inovação
Congresso Moveleiro: exportar a brasilidade

Pensar muito em personalização foi outra proposta do diretor-presidente da D&E Consultores Associados. “Para quem conseguir personalizar um pouco, encontrar um meio termo entre vendas e marketing junto com a área de produção para oferecer algum tipo de flexibilidade é o novo desafio”, falou. Encontrar um espaço para inovar também é importante, já que o único lugar do mundo que não inovará é dentro da sua marcenaria, dentro da sua fábrica. “Domenico de Masi mostrou que o seu ambiente de trabalho é o ambiente menos criativo do mundo”, relatou. Pelo cérebro ser um órgão repetitivo e não criativo e a grande maioria dos pensamentos estarem no inconsciente, pode-se encontrar um jeito de não cair na vítima da repetição.

Pedro Luiz de Almeida/Revista Móbile

Congresso Moveleiro Eduardo Tevah

Tevah enfatizou que excelência é a soma de processos bem estruturados e pessoas comprometidas

2 – Reinvente sua relação com a equipe de trabalho
Em relação às pessoas, está cada vez mais difícil ter uma empresa, apontou Tevah, por ser difícil comprometer as pessoas com metas e resultados. Segundo o Instituto Gallup (State of Global WorkPlace Study), apresentados durante a palestra, apenas 13% das pessoas no mundo estão comprometidas com seu trabalho. Outro fator importante, sendo a pior coisa no mundo dos negócios é não conhecer os inimigos, segundo o palestrante, para em seguida assinalar que a regra de ouro para uma liderança inspiradora é: “Faça as pessoas que trabalham com você se sentirem importantes e especiais”, além de lutar para manter as pessoas boas na empresa.

3 – Reinvente seu atendimento
Isso é necessário, segundo o palestrante, porque quanto mais tecnologia há no mundo, mais carinho as pessoas estão precisando no atendimento. Tanto é que o preço não é fator essencial para a venda, sendo reputação da empresa e atendimento fatores decisivos para continuar comprando. Tevah sinalizou uma pesquisa que aponta quatro elementos do que o cliente quer em um atendimento: simpatia, orientação, educação e rapidez. “O jogo do mundo dos negócios não é venda, é rentabilidade”, destacou.

4 – Atitude mental positiva
Mudar a atitude mental foi o que Tevah ressaltou ao final da palestra. “Nós, gestores, precisamos voltar a ter uma atitude mental positiva. Conheço empresa em que o dono é o mais desmotivado”, disse e aconselhou: “Blinda seu cérebro contra as más notícias”. A Wharton Business School publicou um estudo que mostrou que um cérebro no estado positivo gera um impacto de 31% na produtividade do indivíduo. “Precisamos recuperar a alegria do trabalho. Trabalho é um lugar de se realizar como pessoa, de trabalhar em um lugar que tem desafios, que não nos abatem, mas nos fazem crescer”, ressaltou.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

eMobile