Confiança da indústria cai pela oitava vez seguida

Recuo trouxe o nível mais baixo desde abril de 2009, no entanto, a intensidade da queda diminuiu ante as três últimas pesquisas – com -3,2%, -3,9% e -5,1%

Publicado em 27 de agosto de 2014 | 13:01 |Por: Renata Bossle

Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Conforme adiantado pelo Portal eMobile, o Índice de Confiança da Indústria (ICI), medido pelo Instituto Brasileiro de Economia (Ibre) da Fundação Getulio Vargas (FGV), apresenta queda de 1,2% entre julho e agosto ao atingir 83,4 pontos. Foi o oitavo recuo seguido e o mais baixo nível de avaliação desde abril de 2009 (82,2 pontos).

A Sondagem da Indústria de Transformação indica pessimismo maior em relação ao momento presente. O Índice da Situação Atual (ISA) foi negativo em 3,6%, com 82,7 pontos, o menor nível desde março de 2009 (78,5). O Índice de Expectativas (IE) aumentou 1,4%, ao alcançar 84,1 pontos.

Leia mais:
Consumidor acredita em inflação de 7,2% no próximo ano
Confiança do Comércio registra queda no primeiro trimestre
Indústria propõe mudança nos financiamentos

O superintendente adjunto de Ciclos Econômicos da FGV, Aloisio Campelo Jr., adverte que os empresários ainda se mantêm cautelosos quanto aos negócios em médio prazo. “A ligeira melhora das expectativas é insuficiente para sinalizar uma efetiva inversão da tendência negativa observada no ano. As previsões tornaram-se mais favoráveis para a produção, com a normalização do número de dias úteis após o fim da Copa, mas, no horizonte de seis meses, o pessimismo continua aumentando”, destaca ele em nota.

O indicador de situação atual dos negócios mostra queda de 7,1% entre julho e agosto, com 78,8 pontos, o menor nível desde abril de 2009 (76,8). Para 8,1% dos consultados, a situação atual é boa ante 10,8% que tinham essa avaliação na apuração passada. Paralelamente, cresceu de 26% para 29,3% os que consideram o ambiente fraco para os negócios.

A proporção de empresas com projeção de aumento da produção teve leve crescimento, ao passar de 27,6% para 27,8%. E a parcela que prevê queda diminuiu de 20,8% para 16,1%. Na sondagem sobre os que esperam melhora para os seis meses seguintes, o percentual teve elevação de 25,6% para 30%, mas também aumentou a parcela dos que apontam piora (de 20,2% para 26,5%).

A pesquisa mostra ainda que o Nível de Utilização da Capacidade Instalada (Nuci) ficou estável em 83,2%, mas esse é o menor patamar desde outubro de 2009 (82,6%). As consultas foram feitas em 1.176 empresas entre os últimos dias 4 e 22.

Queda nos preços

O Ibre também divulgou outros indicadores da indústria. O Índice de Preços ao Produtor (IPP), que mede a variação na saída das fábricas, teve deflação de 0,29% em julho. A queda é mais acentuada do que a observada no mês anterior, de 0,16%. Em julho de 2013, o IPP registrou inflação de 1,21%. O IPP acumula inflações de 0,61% no ano e 3,45% no período de 12 meses.

Apenas seis das 23 atividades pesquisadas tiveram alta de preços no mês passado: minerais não metálicos (0,55%), refino de petróleo e produtos de álcool (0,51%), móveis (0,41%), papel e celulose (0,28%), veículos automotores (0,22%) e bebidas (0,13%).

Além disso, dezessete atividades pesquisadas tiveram queda. Os alimentos caíram 1,18%, sendo os principais responsáveis pela deflação de 0,29% do IPP. As maiores deflações foram registradas nos segmentos de impressão (-2,15%), calçados e artigos de couro (-1,38%), madeira (-0,96%), têxtil (-0,87%), confecção de artigos de vestuário (-0,87%) e farmacêutico (-0,52%).

(com informações da Agência Brasil)


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

eMobile