Automação fabril: planejamento é essencial

Automação industrial é o tema da seção Chão de Fábrica, assinada por Vasco Martins, na nova edição da Revista RG Móvel Indústria e Marcenaria

Publicado em 27 de outubro de 2014 | 9:41 |Por: Thaís Laurindo

Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Divulgação Casa D

Casa D

Automação industrial: como, quando e no quê investir?

O processo de automação industrial traz diversas vantagens ao industrial, especialmente no que diz respeito à otimização de tempo, padronização e processos produtivos. No entanto, antes de tomar qualquer decisão que possa acarretar em investimentos equivocados, desperdiçando dinheiro e fazendo mudanças pouco funcionais em seu parque fabril, é importante entender no que e quando investir. E são a essas perguntas que o consultor Vasco Martins responde na seção Chão de Fábrica da nova edição da Revista RG Móvel Indústria e Marcenaria, que já está no ar.

Segundo o consultor, ter um bom sistema de movimentação e um layout bem definido são fundamentais para alcançar níveis satisfatórios de trabalho e produção. Mas para isso é preciso ter em mente que a escolha do melhor equipamento, o produto a ser manuseado, a necessidade ou não de mão de obra especializada e o espaço disponível, tudo isso é essencial para organizar o processo, já que a indústria de moeis trabalha com várias linhas produtivas. Também deve ser considerada a qualidade e a resistência do equipamento, assim como a assistência técnica.

Leia mais:
– RG Móvel: Encontre a furadeira ideal
– Daniel Lutz fala sobre a NR 12
– Acesse os títulos Móbile e RG Móvel via tablet

Organizado isso, quais processos automatizar? As atividade que, em primeira análise, são elegíveis à automatização, geralmente possuem as seguintes características:

  • atividades repetitivas;
  • necessitam de muitas pessoas para serem executadas;
  • necessitam de controle rigoroso;
  • precisam ser rastreadas;
  • precisam ser agilizadas;
  • exigem grande esforço físico;
  • ocorrem em ambientes perigoso e/ou insalubres.

 

Embora muitas empresas, especialmente aquelas com grande mix de produtos em sua linha de fabricação, acreditem que a automação fabril pode ser benéfica para elevar sua produtividade, é preciso dimensionar o projeto, como um todo, o que inclui o treinamento de seus colaboradores, englobando os dois processos para que não haja “estrangulamento” produtivo.

Para saber mais sobre o assunto, com dicas, exemplos de processos e modelos de layout, clique aqui e acesse a seção Chão de Fábrica.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

eMobile