Análise do Ciclo de Vida é fundamental para indústria

A ACV é uma ferramenta de gestão ambiental que quantifica os impactos ambientais de um determinado produto ou processo produtivo em todas as suas etapas

Publicado em 6 de novembro de 2014 | 14:03 |Por: Marina Werneck de Capistrano

Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Morguefile

Conscientizar os fornecedores da indústria moveleira quanto ao destino correto de seus resíduos a partir da Análise do Ciclo de Vida é um ponto fundamental para uma cadeia sustentável

Conscientizar os fornecedores da indústria moveleira quanto ao destino correto de seus resíduos a partir da Análise do Ciclo de Vida é um ponto fundamental para uma cadeia sustentável

Quando indicadores de desempenho ambiental são inseridos no cotidiano de uma indústria, passa-se a ter ao dispor da empresa uma variável para o planejamento de suas ações. Tradicionalmente calçada nas análises de viabilidade técnica e econômica, a tomada de decisão pode ter na Análise do Ciclo de Vida um meio de garantir opções mais sustentáveis para a organização, que podem envolver desde a escolha entre fornecedores de uma mesma matéria-prima, até a criação de metas e planos de ação para redução de impactos a médio e longo prazo.

O Ciclo de Vida é um conceito previsto na Política Nacional de Resíduos Sólidos – PNRS instituída pela lei 12.305 de 2 de agosto de 2010. O documento pode ser definido como uma série de etapas que envolvem o desenvolvimento de um produto, a obtenção de matérias-primas e insumos, o processo produtivo, o consumo e a disposição final. A política institui a responsabilidade compartilhada pelo ciclo de vida dos produtos, definida como o conjunto de atribuições individualizadas e encadeadas dos fabricantes, importadores, distribuidores e comerciantes, dos consumidores e dos titulares dos serviços públicos de limpeza urbana e de manejo dos resíduos sólidos para minimizar o volume de resíduos sólidos e rejeitos gerados, bem como para reduzir os impactos causados à saúde humana e à qualidade ambiental decorrentes do ciclo de vida dos produtos.

A lei estimula a implementação da avaliação do ciclo de vida do produto, ou ACV, abordagem prevista na série de normas ISO 14.040 – Gestão Ambiental que define uma metodologia padronizada para determinar o impacto ambiental de produtos e serviços.

Leia mais:
Dia do Consumo Consciente: E a indústria moveleira?
Setor moveleiro precisa repensar a utilização de materiais
Desempenho positivo ao fazer o bem

Rodrigo Alvarenga, professor de Gestão Ambiental na Udesc e sócio-diretor da EnCiclo Soluções Sustentáveis, diz que a ACV apoia empresas a quantificar os impactos ambientais de seus produtos e a identificar em qual etapa da vida de um produto ocorre os maiores impactos ambientais: “Desta maneira essas empresas podem traçar metas ambientais de redução destes impactos, que são vistas como atitudes que demonstram a preocupação de tais empresas com os impactos de seus produtos, algo importante num mercado globalizado”.

Inventário de Ciclo de Vida

Arquivo Pessoal

Segundo Rodrigo Alvarenga empresas podem traçar metas ambientais de redução destes impactos através da Análise do Ciclo de Vida

Segundo Rodrigo Alvarenga empresas podem traçar metas ambientais de redução destes impactos através da Análise do Ciclo de Vida

Alvarenga comenta que muitos dos dados necessários para se fazer uma ACV são difíceis de serem obtidos por não estarem diretamente ligados à atividade das empresas. “Por exemplo, uma indústria moveleira pode ter quantificado seus aspectos ambientais, mas dificilmente tem conhecimento dos aspectos ambientais da produção de eletricidade, por exemplo, consumida na sua fábrica. Para obter esses resultados, é comum se fazer uso de bases de dados que contenham informação ambiental de diversos processos produtivos”, explica.

Para o banco de dados ou inventário de ciclo de vida, deve ser coletado o máximo de informações possíveis. Isto é, que relacionam todos os materiais e consumos necessários para a conformação e produção deste bem, suas logísticas e embalagens, seus resíduos, efluentes e emissões gasosas e respectivos tratamentos quando houverem, informações da fase de uso (incluindo logística, consumos de manutenção, consumos de uso, etc.) e dados de seu pós-uso, considerando a logística reversa e a sua destinação final, seja tratamento, reciclagem ou descarte.

Os itens acima são apontados pelo engenheiro sanitarista e ambiental, doutorando em engenharia ambiental e participante do grupo de Pesquisa em Avaliação do Ciclo de Vida (CICLOG), Guilherme M. Zanghelini. “Embora existam critérios de corte para possibilitar a coleta de dados de forma mais rápida, quanto mais completo for o inventário menos incerteza será agregada à tomada de decisão”, complementa. Em uma síntese rápida, a ACV de produtos gera informações valiosas sobre os impactos ambientais de determinado produto ou processo produtivo.

Confira a matéria completa na revista Móbile Fornecedores 266 e descubra como este pode ser um fator decisivo para o cliente no momento de escolher quem será seu fornecedor.

A versão para os assinantes fica disponível neste link. Assinaturas podem ser solicitadas pelo 0800-9791981. Um mês após a circulação, a revista pode ser consultada de forma gratuita no site.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

eMobile