Ilseo Rafaeli é o novo presidente da Amoesc e Simovale

Rafaeli engaja empresários do setor moveleiro para que a união siga gerando o fortalecimento e ascensão do polo moveleiro do oeste catarinense

Publicado em 18 de maio de 2018 | 17:30 |Por: Thiago Rodrigo Pereira da Silva

O empresário Ilseo Rafaeli foi eleito presidente do Sindicato da Indústria Madeireira e Moveleira do Vale do Uruguai (Simovale) e da Associação dos Madeireiros e Moveleiros do Oeste de Santa Catarina (Amoesc), e estará à frente das entidades do polo moveleiro do oeste catarinense nos próximos três anos.

O anúncio foi feito ontem (17/05) em assembleia geral para eleição e posse da nova diretoria e conselho fiscal, gestão 2018/2021, das entidades. Cerca de 50 pessoas prestigiaram a sessão em Chapecó (SC), principal cidade do polo moveleiro do oeste catarinense. Na oportunidade também foi apresentada a prestação de contas dos encargos referentes ao ano de 2017.

Divulgação MB Comunicação

Amoesc e Simovale polo moveleiro do oeste catarinense

Osni Carlos Verona recebe placa de homenagem pelos nove anos na presidência das entidades das mãos do atual presidente Ilseo Rafaeli

Rafaeli afirma que quer traçar planos para que o empresariado consiga defender cada vez mais o negócio e expressou a responsabilidade que sente ao assumir o cargo. Na composição da nova diretoria, afirma que buscou aumentar ainda mais a representatividade por meio da escolha diversificada dos membros, de acordo com os vários segmentos pelos quais as entidades respondem.

“Temos muito a fazer, e isso é bom, pois é uma chance de acreditar no nosso potencial e de nos reinventarmos para mostrar nossa competência e pujança para o desenvolvimento do setor moveleiro e madeireiro”, assegura Rafaeli.

A Amoesc e Simovale representam empresas da cadeia produtiva madereira/móveis, carpintarias, tanoarias, marcenaria, de móveis de junco, vime e de vassouras, cortinados e estofos, com gestão que se estende a cerca de mil empresas na região oeste.

Divulgação MB Comunicação

Amoesc e Simovale polo moveleiro do oeste catarinense

Assembleia geral da Amoesc e Simovale, em Chapecó

Empossado na nova gestão como diretor financeiro, Osni Carlos Verona presidiu as entidades nos últimos nove anos. O empresário deixou o cargo com aclamação e reconhecimento pelo trabalho desenvolvido à frente das entidades.

Abimóvel promove encontro com empresas do polo moveleiro de Arapongas

“Este é um momento de renovação da gestão das entidades, e uma renovação inexorável que contribuirá ainda mais para o fortalecimento do setor de madeira e móveis da região Oeste. Passamos por um período de mais de quatro anos de crise político-econômica e, apesar do cenário instável, nos mantivemos fortes e atuantes. Prova da nossa força é a Mercomóveis”, lembra.

“O associativismo é o caminho para que as coisas aconteçam”, garante o vice-presidente das entidades, Waldemar Antonio Schmitz, que também atua como vice-presidente regional Oeste da Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina (Fiesc).

Divulgação MB Comunicação

Amoesc e Simovale polo moveleiro do oeste catarinense

Assembleia geral da Amoesc e Simovale, em Chapecó

Schmitz fez uma breve avaliação desde a instituição da Amoesc e do Simovale na região e elogia a disposição e comprometimento dos empresários. “Sempre buscamos fazer o melhor para o nosso sindicato a fim de que possamos continuar a ter uma história bonita e de engajamento para contar”, conta.

Compõe a diretoria da Amoesc e Simovale para gestão 2018/2021 o presidente Ilseo Rafaeli, o vice-presidente Waldemar Antonio Schmitz, o diretor financeiro Osni Carlos Verona, e os diretores-membros, Cesar Inacio Peruzzo, Willian Michel Henn, Germano Toledo, Marcelo Stefanes, Leandra Mantovani e Vinícius Colpani.

Como conselheiros fiscais, foram eleitos titulares os empresários Adir Luiz Kist, Nivaldo Lazaron Junior e Odinei Antonio Cavasotto, contando como suplentes Marcelo Alberti, Rogério Rodrigo Broch e Gilmar Romani.

Profissionais do polo moveleiro do oeste catarinense escolhem nova diretoria

Simovale e Amoesc reunirão associados em uma solenidade geral para decidir novo quadro de direção e outros assuntos de interesse da região

Publicado em 15 de maio de 2018 | 15:28 |Por: Ricardo Heidegger

O Sindicato da Indústria Madeireira e Moveleira do Vale do Uruguai (Simovale) e a Associação dos Madeireiros e Moveleiros do Oeste de Santa Catarina (Amoesc), irão reunir seus associados em uma assembléia geral ordinária nesta quinta-feira, 17 de maio. O motivo da reunião de madeireiros e moveleiros do polo moveleiro do oeste catarinense, é focado na prestação de contas referente ao ano de 2017 e na eleição seguida de posse da nova diretoria executiva e conselho fiscal da entidade, com mandato a ser cumprido de junho deste ano até maio de 2021.

Além do conteúdo programado pela organização, serão apresentados os delegados que representarão a entidade junto à Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina (Fiesc), conforme indicação da nova diretoria. Essa convocação entra em vigor na data de realização da  reunião de profissionais do polo moveleiro do oeste catarinense, com publicação em jornal de circulação na base territorial, e em local apropriado na sede do sindicato. Da quantidade de associados na presente data o sindicato possui atualmente 80 empresas associadas.

Conduzido pelo atual presidente Osni Verona, o encontro também reunirá os empresários do setor moveleiro e das empresas da cadeia produtiva madeireira e móveis, carpintarias, tanoarias, marcenaria, de móveis de junco, vime e de vassouras, cortinados e estofos. De acordo com a organização da assembléia, as decisões tomadas na solenidade se estendem a cerca de 1 mil empresas do setor de madeira e móveis do polo moveleiro do oeste catarinense.

– Movergs promove fórum de design para a indústria moveleira local

A assembleia geral ordinária que contará com associados e profissionais do polo moveleiro do oeste catarinense começa às 19 horas do dia 17/05 (esta quinta-feira), no auditório do Simovale, localizado na Rua Mascarenhas de Morais, nº 444-E, bairro Parque das Palmeiras, em Chapecó, no Estado de Santa Catarina.

(com informações de assessoria)

Movergs promove fórum de design para a indústria moveleira do RS

Primeira edição do evento que foca na geração de valor, ocorre no dia 29 de maio, das 8h às 17h, em Bento Gonçalves

Publicado em 14 de maio de 2018 | 17:52 |Por: Ricardo Heidegger

O 1º Fórum Movergs de Design, com a realização da Associação das Indústrias de Móveis do Estado do Rio Grande do Sul (Movergs) em parceria com o Stúdio Marta Manente, terá a primeira realização focada na geração de valor para a indústria moveleira da região gaúcha.

Divulgação Movergs

Indústria Moveleira

Designer Camila Klein

O evento será promovido no dia 29 de maio, das 8h às 17h, no Auditório do Centro Empresarial de Bento Gonçalves com patrocínio da Eucatex e apoio do Sindmóveis, Projeto Raiz e Prêmio Salão Design. As inscrições podem ser realizadas até o dia 25 de maio no site da associação, aonde os visitantes também podem conferir a programação completa do evento.

De acordo com a Movergs, o objetivo do evento é de mostrar aos empresários e profissionais do setor que mesmo com um cenário positivo para os próximos meses é preciso repensar o modo de fazer negócios, ou seja, inovar e encantar o cliente.

Isso tudo passa pelo design estratégico, por meio de projetos que agreguem valor estético, mas também ofereçam funções diferenciadas, matérias-primas corretas, ergonomia, processos produtivos por um custo adequado, segundo a associação. “Com o acesso a ferramentas de design, as empresas têm mais possibilidade de inovar, aproveitando as oportunidades que surgem no mercado”, aponta o presidente da Movergs, Volnei Benini.

Para a primeira edição do fórum, a entidade conta com renomados especialistas na área de design, como a arquiteta e influenciadora digital, Camila Klein, o fundador e CEO do Viva Decora, Diego Emmanuel Simon, o idealizador da High Design Expo e DW! São Paulo Design Weekend, Lauro Andrade Filho, e o designer Paulo Biacchi.

– Abimóvel promove encontro com empresas do polo moveleiro de Arapongas

Divulgação Movergs

Indústria Moveleira

Idealizador da High Design Expo e DW! São Paulo Design Weekend, Lauro Andrade Filho

Os profissionais irão abordar como a indústria moveleira devem se preparar para agregar valor ao produto e aos serviços, de forma dinâmica e moderna. Por meio de painéis talk show, os convidados proporcionarão integração e riqueza no conteúdo, discutindo os temas de forma prática e sugestiva.

Além disso, serão abordados sete temáticas ligadas ao design, são eles, o “Design, além da forma: Ferramenta estratégica para a indústria gerar valor”; “A indústria moveleira nos eventos de design: nicho ou mercado bilionário”; “Design Experience”; “Milão 2018 – Interpretação e aplicação das tendências na indústria moveleira”; “Internacionalização – o design brasileiro no mundo”; “Marketing digital na indústria moveleira: técnicas para atrair público e potencializar a sua marca”; e por fim “O novo consumidor de design”.

“Pretendemos oferecer subsídios para alavancar o sucesso de toda a cadeia produtiva moveleira, proporcionando por meio desta ferramenta, o incremento dos resultados da indústria moveleira do Rio Grande do Sul”, acrescenta Benini.

1º Fórum Movergs de Design
Horário: Das 8h às 17h
Local: Auditório do CIC – Centro Empresarial de Bento Gonçalves
Endereço: Rua Avelino Luiz Zat, 95 – Bairro Fenavinho – Bento Gonçalves/RS
Investimento: R$ 80,00 para associado; R$ 150,00 para não associado

(com informações de assessoria)

Abimóvel promove encontro com empresas do polo moveleiro de Arapongas

Reunião teve como foco o fortalecimento do setor moveleiro e foi realizada em parceria com o Sindicato das Indústrias de Móveis de Arapongas e com a Apex-Brasil

Publicado em 11 de maio de 2018 | 17:04 |Por: Ricardo Heidegger

A Associação Brasileira das Indústrias do Mobiliário (Abimóvel), em parceria com o Sindicato das Indústrias de Móveis de Arapongas (Sima) e a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), realizou, no último dia 03 de maio, uma importante reunião no polo moveleiro de Arapongas (PR). A intenção do encontro foi de apresentar as ações que estão sendo desenvolvidas em prol do setor, nos mercados interno e externo, incluindo a agenda política e institucional liderada pela Abimóvel.

O presidente do Sima, Irineu Munhoz, agradeceu a presença dos empresários e executivos do polo moveleiro de Arapongas, destacando a importância do associativismo e a participação da indústria nas ações promovidas pelas entidades, como forma de fortalecer o setor. Para Munhoz, a integração do setor é fundamental para suprir as demandas e desafios que se configuram em um cenário de elevada competitividade global. O presidente também destacou a importância da Abimóvel e da Apex-Brasil como presença contínua e ativa.

A diretora executiva da Abimóvel, Cândida Cervieri, em nome do presidente da entidade, Daniel Lutz, agradeceu a oportunidade do presidente do Sima em possibilitar esse encontro com as indústrias do polo moveleiro de Arapongas, e com isso, informar aos presentes sobre as ações e projetos da associação. A diretora inicialmente apresentou o Projeto Brazilian Furniture, um programa de promoção da indústria do mobiliário no mercado externo, realizado em parceria com a Apex-Brasil, abordando os mercados e ações previstas até 2018.

Divulgação

Polo moveleiro de Arapongas

A intenção do encontro foi de apresentar as ações que estão sendo desenvolvidas em prol do setor, nos mercados interno e externo, entre outros assuntos

Além disso, a profissional apresentou o desenvolvimento do planejamento estratégico que está sendo trabalhado para o próximo biênio, junto com a abordagem da pauta da entidade, em temas como a desoneração da folha de pagamento, construção do anexo a NR 12 e acordos de cooperação com o México e União Europeia. “A Abimóvel tem trabalhado incansavelmente, em parceria com os sindicatos, associações e órgãos governamentais e não-governamentais, em busca de iniciativas que promovam o desenvolvimento da indústria, sem barreiras internas e externas e que possam impactar nos negócios do setor”, afirma Cândida.

O gestor de projetos da Apex-Brasil, Paulo Silva, exibiu a atuação da agência, projetos e resultados realizados, em parceria com as entidades setoriais. No encontro, ele destacou a importância da participação do setor privado em iniciativas como o Projeto Brazilian Furniture, tendo em vista as oportunidades de negócios que são proporcionadas em mercados estratégicos para o setor. “Em apenas sete meses já tivemos ações na Colômbia, México, Brasil (Bento Gonçalves), Dubai e Itália. Isso denota o comprometimento e as grandes conexões que estão sendo prospectadas através do PBF”, salienta o gestor.

– Paineleiras apontam para futuro promissor no setor moveleiro do Nordeste

Falou, ainda, sobre a agenda de visita aos polos, que são essenciais para sensibilizar as empresas quanto à importância dos Projetos Setoriais e os benefícios que são ofertados às empresas participantes desses Programas no mercado internacional: “Quanto mais representativo o Projeto, em número de empresas, mais oportunidades e desafios podem estar refletidos no plano de internacionalização dessas iniciativas”, declara.

(com informações de assessoria)

Paineleiras apontam para futuro promissor no setor moveleiro do Nordeste

Empresas como Duratex, Arauco e Guararapes aumentaram investimentos em logística e produção de olho no setor moveleiro do nordeste

Publicado em 9 de maio de 2018 | 16:25 |Por: Luis Antônio Hangai

Fabricantes de painéis de madeira nos últimos anos aumentaram investimentos para melhor abastecer o setor moveleiro do Nordeste do Brasil. Pernambuco, por exemplo, desde 2011 passou a acomodar Centros de Distribuição (CD) de grandes marcas como Duratex, Arauco e Guararapes. O esforço para agilizar e reduzir custos com entrega de materiais fundamentais à indústria de móveis dá indícios de expansão na cadeia produtiva local.

A última notícia que reforça o potencial moveleiro na região Nordeste é do anúncio de que a Duratex irá investir cerca de R$ 1,1 bilhão para instalar uma unidade industrial de painéis de madeira em Alagoas. O estado foi escolhido graças à localização estratégica e incentivos fiscais concedidos pelo governo alagoano.

Consumo de painéis de madeira cresce no primeiro trimestre de 2018

O governador Renan Filho afirmou, à época do anúncio dos incentivos à gigante paineleira, que o “investimento irá estruturar a cadeia produtiva do móvel em Alagoas e com isso, teremos muitas possibilidades de, produzindo as chapas de MDF e MDP, atrair uma série de outras indústrias que utilizarão as chapas produzidas na fabricação de móveis, absorvendo mão de obra e ajudando Alagoas a se desenvolver economicamente”.

CDs agilizam fornecimento ao setor moveleiro do Nordeste

A Arauco, que desde 2015 conta um CD na cidade de Cabo de Santo Agostinho (PE), identifica oportunidades promissoras para o setor moveleiro do Nordeste. De acordo com o gerente de marketing da empresa, João Casemiro, o consumo de móveis na região, especialmente de planejados, ainda depende em grande medida da produção de indústrias localizadas no Sul e Sudeste, ou de marcenarias, mas já há players locais expressivos nas indústrias de móveis seriados e possivelmente nas de maior valor agregado.

setor moveleiro do nordeste

Centro de Distribuição da Arauco, com capacidade para armazenar até 8 mil metros quadrados de painéis de madeira

“No Nordeste há consumo potencial não atendido, que será convertido em negócios com o crescimento econômico esperado para a região nos próximos anos. Há também peculiaridades nos gostos que são fonte de inspiração para a Arauco e antecipam tendências que se tornarão mainstream no Brasil, o que nos leva a crer na crescente influência nacional de designers e arquitetos locais. O centro de distribuição reduz o entrave logístico ao consumo regional, dado que seu abastecimento via cabotagem barateia fretes e o estoque local agiliza o suprimento da demanda, fomentando negócios”, avalia Casemiro.

No Nordeste há consumo potencial não atendido, que será convertido em negócios com o crescimento econômico esperado para a região nos próximos anos

Por sua vez, a Guararapes, que exporta painéis compensados para mais de 50 países, informa que as operações na região Nordeste correspondem a 5% do faturamento em MDF, mas que a meta é chegar a 10%. Com um CD instalado próximo ao Porto de Suape, na cidade pernambucana de Ipojuca, o objetivo da empresa é agilizar o fornecimento de painéis e reduzir em 80% o tempo de entrega ao cliente final.

De acordo com o gerente de marketing da Guararapes, Humberto Oliveira, o potencial do mercado no Nordeste é muito expressivo, seja em produtos de valor agregado ou mesmo nas comodities. “Em função de fatores como déficit habitacional, baixa participação de produtos com valor agregado, a Guararapes avaliar como significativo o potencial para esse mercado no médio e longo prazo”, diz o gerente.

Artecola comemora 70 anos de atuação no setor moveleiro

Durante o ano, ações com diferentes públicos irão marcar as sete décadas de existência da indústria química

Publicado em 4 de maio de 2018 | 17:35 |Por: Ricardo Heidegger

A Artecola está completando, em 2018, sete décadas de atuação no setor moveleiro. Por meio da integração entre acionistas e colaboradores e familiares, a empresa comemora amanhã (05/05) a data festiva na matriz localizada em Campo Bom (RS). Os 70 anos de fundação é um marco alcançado por menos de 0,4% das empresas brasileiras de acordo com dados apurados pelo Índice Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Durante o ano serão realizadas outras atividades para celebrar o aniversário da fabricante de adesivos para o setor moveleiro e outros segmentos. “Nos destacamos pela inovação e sustentabilidade e para isso contamos com uma equipe qualificada, formada por pessoas que acreditam no que fazem e escrevem conosco essa longa história empresarial. É uma data muito significativa, que fazemos questão de festejar junto a funcionários, clientes, fornecedores e comunidade, agradecendo pela parceria que temos nestes 70 anos”, afirma o presidente-executivo, Eduardo Kunst.

Divulgação Artecola

Setor moveleiro

Presidente executivo da Artecola Química, Eduardo Kunst

Na atual estrutura, a Artecola conta com três áreas de negócios. A primeira é a de indústria, com adesivos e laminados especiais para aplicações nos mais diversos setores como calçadista, papel e embalagem, automotivo, construção civil, além do setor moveleiro. O segundo é a área de consumo no qual com a marca Afix, oferece um portfólio completo em soluções para construir e reformar. Por fim, a área de extrusão, com produtos diferenciados e de alta performance que incorporam fibras naturais na composição.

No Brasil, a marca mantém unidades no Rio Grande do Sul, São Paulo e na Bahia, e emprega cerca de 300 colaboradores. Com uma rede internacional, atua em 18 países da América Latina. Em meio a um dos momentos mais emblemáticos destas sete décadas, a empresa segue com a visão para em 2022 ser referência em soluções diferencias, sustentabilidade e sólida reputação. “Nós da Artecola, existimos para criar valor com soluções diferenciadas, promovendo o desenvolvimento sustentável e facilitando a vida dos clientes. Estamos fortemente alinhados a esse princípio, com muita determinação e confiança nos novos rumos da organização”, reforça Kunst.

História de superação da fornecedora do setor moveleiro

Há três gerações a frente da Artecola Química, a família Kunst tem uma história de superação em meio a algumas dificuldades passadas. Em 1948, para criar a então Fábrica de Tintas e Colas, o que depois virou a Artecola, o fundador Francisco Xavier Kunst vendeu o único bem que possuía para ter capital e se associar a Albano Adams: a casa onde morava com a esposa e cinco filhos, em Novo Hamburgo (RS). O empresário era dono da Calçados Adams, onde Xavier trabalhava e que se tornaria o principal cliente do novo negócio.

– Farben anuncia investimentos em evento de comemoração de 25 anos

Dois anos depois, a Calçados Adams faliu, precisando de um esforço maior da família Kunst para manter a empresa de pé. A dedicação de Xavier e sua família, garantiu o crescimento da Artecola nesses 70 anos. “Passamos a atuar em novos mercados, investimos em inovação, buscamos a vivência internacional para qualificar nossos produtos e gestão, abrimos espaço para novos talentos e apoiamos o desenvolvimento de nossa gente. Enfim, são anos e anos de muito trabalho que nos levaram a ser um dos principais players de capital local na América Latina, em nosso segmento”, detalha Eduardo Kunst.

(com informações de assessoria)

Farben anuncia investimentos em evento de comemoração de 25 anos

Fabricante de tintas para os setor moveleiro, industrial e automotivo repintura quer ampliar produção com o pensamento de investir R$ 25 milhões até 2019

Publicado em 4 de maio de 2018 | 15:59 |Por: Ricardo Heidegger

A Tintas Farben reuniu em Gramado (RS) representantes comerciais na Convenção Nacional de Vendas, dando início às comemorações de 25 anos de atividades na última quarta (02/05). Além de várias homenagens e apresentações do desempenho de 2017 e primeiro quadrimestre de 2018, a empresa compartilhou com os parceiros, um plano estratégico para os próximos quatro anos. Entre as ações para alcançar os resultados esperados até 2022, estão investimentos na ordem de R$ 25 milhões a serem realizados até 2019.

Atuante na fabricação de tintas para os mercados moveleiro, automotivo repintura e industrial, a Tintas Farben foi fundada pelo empresário Jayme Antônio Zanatta no ano de 1993. Durante a Convenção de Vendas, foram lembradas as dificuldades dos primeiros anos e a postura otimista de Zanatta, sempre acreditando no futuro da empresa.

Os investimentos anunciados serão aplicados em uma nova unidade de produção de thinner, na remodelação do layout da fábrica em Içara (SC), na ampliação da capacidade da fabricação de resina, em ações voltadas ao ambiente de trabalho, na melhoria da eficiência logística e na implantação de uma unidade fabril fora do país. “São investimentos para melhorar nossa competitividade, eficiência, segurança e qualidade de trabalho dos nossos profissionais”, explica o vice-presidente, Edilson Zanatta.

Divulgação Farben

Tintas Farben

Lembrando das dificuldades dos primeiros anos de empresa, o presidente Jayme Antônio Zanatta adotou postura otimista para o futuro na comemoração

A implantação da nova fábrica de thinner na área onde está a matriz, em Içara (SC), vai proporcionar um aumento de 50% na capacidade de produção. Totalmente automatizada, a operação ganhará em eficiência e segurança. Com espaço exclusivo para produção de thinner, a produção de tintas na matriz também passará por revisão de layout, adotando o modelo de gestão Lean Manufacturing e gerando aumento imediato de 50% na capacidade, além de segurança, produtividade, ergonomia e eficiência.

Além disso, a empresa aponta que a produção de resinas também receberá novos investimentos com a aquisição de reatores, proporcionando autossuficiência na principal matéria-prima para a fabricação de tintas. O processo de internacionalização da marca também recebe investimentos para atingir as metas de ampliar participação de mercado. Hoje, as exportações representam 4% do faturamento, e o objetivo é que o percentual alcance 8,5% até 2022.

Investimentos passados da Tintas Farben

Os investimentos projetados para 2018 e 2019 são uma continuidade dos realizados em 2017 pela empresa. No ano passado, uma nova área logística foi implantada na matriz, dobrando a capacidade de armazenagem e ampliando a segurança. De acordo com a marca, a mudança já gerou ganho de 30% no tempo de separação de produtos. A tendência é que a eficiência aumente ainda mais, já que este espaço continua recebendo recursos, agora com a implantação do Sistema WMS para aprimoramento inteligente dos produtos.

Também em 2017, a Tintas Farben adquiriu uma fábrica em Caxias do Sul (RS), reforçando a presença no Rio Grande do Sul, segundo maior mercado de atuação da empresa. Em Guarulhos (SP), implantou uma mini-fábrica junto ao Centro de Distribuição com o objetivo de agilizar o atendimento aos clientes. Com a estratégia de pequenas áreas de produção em mercados regionais, o foco fica por contar da consolidação do modelo de atendimento personalizado, entregando pequenos volumes em até seis horas e assistência técnica local.

– Xylexpo 2018 se prepara com foco em superar números de 2014

“O tema desta convenção é Farben 25: cores que transformam vidas; pois por meio da empresa muitas pessoas realizam sonhos, quer sejam acionistas, colaboradores, representantes, clientes e usuários de nossos produtos. Esse tema vem ao encontro de um dos principais valores da marca, a valorização dos relacionamentos e agregar valor à sociedade”, acredita o gerente comercial, Ilmar Broch.

Crescimento em 2017

Com todos os investimentos, a Edmilson Zanata aponta que a estratégia está baseada em um tripé que consiste na intimidade com o cliente, inovação e eficiência operacional. A Tintas Farben obteve crescimento de 9,5% no faturamento em 2017, comparando com os resultados de 2016. O ano de 2018 já começa positivo, com crescimento de 5,2% no primeiro trimestre, comparando aos números do mesmo período de 2017.

(com informações de assessoria)

Produção da indústria moveleira recua -2,5%, indica IBGE

Em março de 2018 a produção do setor moveleiro recuou frente a fevereiro, mas manteve alta acumulada de 8,8% nos últimos 12 meses

Publicado em 3 de maio de 2018 | 11:49 |Por: Luis Antônio Hangai

Em março de 2018 a produção da indústria moveleira recuou -2,5% frente a fevereiro, segundo a mais recente Pesquisa Industrial Mensal do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A queda foi maior que a média nacional, que regrediu em -0,1%. O setor moveleiro foi um dos 14 ramos, dentre o total de 26 participantes do levantamento, que apresentaram taxas negativas na sondagem.

Produção da indústria moveleira
Os setores de bens de capital (2,1%) e de bens de consumo duráveis (1,0%) mostraram as expansões mais acentuadas em março de 2018 frente ao mês imediatamente anterior. Já bens intermediários, ao recuar 0,7%, assinalou a única taxa negativa nesse mês e marcou o terceiro mês seguido de queda na produção, período em que acumulou redução de 3,9%.

Confira aqui os indicadores da indústria referentes a fevereiro de 2018

Já na variação percentual mensal, com base no mesmo mês do ano anterior, a indústria de móveis cresceu 7% em março de 2018, ficando abaixo dos índices registrados em fevereiro (7,6%), janeiro (12,2%) e igualando-se a dezembro, que também marcou a 7%. Essa é a 11ª taxa positiva consecutiva conquistada neste tipo de comparação.

Produção da indústria moveleira

Ainda na relação com março de 2017, bens de consumo duráveis (15,8%) e bens de capital (8,3%) assinalaram, em março de 2018, os resultados positivos entre as grandes categorias econômicas. Por outro lado, os segmentos de bens intermediários (-0,2%) e de bens de consumo semi e não-duráveis (-1,7%) apontaram as taxas negativas nesse mês.

Produção da indústria moveleira acumula maior alta em oito anos

Embora o mês de março em comparação com fevereiro tenha sido de queda na produção da indústria moveleira, o setor registrou, no acumulado dos últimos 12 meses, taxa de crescimento de 8,7%. Trata-se da maior expansão desde que o segmento iniciou a trajetória ascendente em agosto de 2016. É também a maior alta desde fevereiro de 2011, quando o índice chegou a 8,8%.

Produção da indústria moveleira
No percentual acumulado no ano, a produção da indústria moveleira variou 8,9% em março de 2018 com relação ao mesmo período do ano passado. Essa foi a menor taxa registrada neste ano, ficando abaixo de fevereiro (9,9%) e janeiro (12,2%), mas ainda acima do índice final de dezembro de 2017 (4,6%).

Produção da indústria moveleira
A avaliação geral do IBGE para o primeiro semestre de 2018 foi de que “entre as grandes categorias econômicas, os resultados mostraram maior dinamismo para bens de consumo duráveis (16,3%) e bens de capital (10,8%), impulsionadas, em grande parte, pela ampliação na fabricação de automóveis (13,2%) e eletrodomésticos (26,0%), na primeira; e de bens de capital para equipamentos de transporte (21,8%), para construção (56,5%) e de uso misto (18,0%), na segunda. Os setores de bens intermediários (1,7%) e de bens de consumo semi e não-duráveis (0,8%) também acumulara taxas positivas no ano, embora abaixo da média nacional (3,1%)”.

Xylexpo 2018 se prepara com foco em superar números de 2016

Feira italiana do setor moveleiro tem expectativa da presença de cerca de 18 mil visitantes, número maior do que a edição de 2016

Publicado em 3 de maio de 2018 | 8:00 |Por: Ricardo Heidegger

A feira italiana Xylexpo 2018 se prepara para mais uma edição com novidades e tecnologias em máquinas e equipamentos para o setor moveleiro. Na próxima semana, de 8 a 12 de maio, industriais moveleiros de todo o mundo poderão conferir no centro de eventos Fiera Milano, o que fabricantes de maquinário apresentarão de novidades, de olho também na Indústria 4.0.

A feira terá quase 35 mil metros quadrados, aumento significativo em relação à edição anterior que teve aproximadamente 29 mil metros quadrados de exposição. De acordo com a organização da exposição internacional bienal de tecnologia de madeira e indústria de móveis, os expositores serão os grandes atores de um ambiente tecnológico que está passando por um período de profunda transformação.

São esperados 18 mil visitantes na Xylexpo 2018, indicando uma tendência crescente em relação a 2016, quando os visitantes profissionais foram 17.415. O número de expositores será de 420 empresas, como resultado da tendência duradoura de fusões e aquisições por parte das empresas fornecedoras.

Divulgação Xylexpo 2018

Xylexpo 2018

18 mil visitantes são esperados na realização da feira

Arena Xylexpo 2018

Com a adição de uma quarta sala, foi restaurada a Arena Xylexpo. Lançada em 2010, trata-se de uma atração que tem rodada de apresentações com quinze palestrantes de renomadas empresas e corporações, incluindo Panguaneta, Marlegno, Agroils, Arsonsisi, Akzo Nobel, Grupo Merck, Gruppo Lechler Valcucine.

– Consumo de painéis de madeira cresce no primeiro trimestre de 2018

Os tópicos também serão discutidos em quatro reuniões organizadas pela Accenture, cada uma com um especialista específico da atual revolução industrial e apresentações detalhadas da Iq Consulting. Um spin-off da Universidade de Brescia dedicado à tecnologia digital, impressão 3D, cultura de projetos e gerenciamento de suprimentos, também fazem parte do evento paralelo, assim como dois seminários sobre “Marcenaria 4.0”.

Inovação Xia-Xylexpo

De acordo com a organização da Xylexpo 2018, tudo já se encontra pronto para a realização do prêmio de inovação, com quatro categorias este ano: madeira maciça, painéis, ferramentas e revestimento. Um júri de seis professores universitários selecionará as melhores soluções, apresentando os prêmios na cerimônia de premiação em 09 de maio, durante a Xylexpo Night.

(com informações de assessoria)

Consumo de painéis de madeira cresce no primeiro trimestre de 2018

Crescimento foi puxado pelo desempenho de janeiro, enquanto fevereiro e março apresentaram queda em relação ao mesmo mês de 2017

Publicado em 27 de abril de 2018 | 11:46 |Por: Thiago Rodrigo Pereira da Silva

O consumo de painéis de madeira apontou crescimento de 3,1% em no primeiro trimestre deste ano em relação a 2017. Foram consumidos 1.640 milhões m³ de chapas pela indústria moveleira, enquanto no mesmo período do ano passado o montante foi de 1.591 milhões m³. Por outro lado, o mês de março teve consumo menor que no mesmo mês de 2017, registrando diminuição de 3,2% de chapas consumidas. Os dados são do 47º Cenários Ibá, divulgado pela Indústria Brasileira de Árvores (Ibá).Ibá - consumo de painéis de madeira em março

Exportações de painéis de madeira

As exportações de painéis de madeira apresentaram aumento de 14,1% nos valores totais exportados no trimestre. Foi registrado crescimento de 8,5% no primeiro trimestre e de 6,4% em março, em relação a março do último ano. Somadas as vendas domésticas e as exportações, as paineleiras produziram 660 mil m³ de chapas em março deste ano, frente os 611 mil m³ de fevereiro.

– Confira todas as informações sobre o mercado de chapas brasileiro

Em dólares, a balança comercial de painéis de madeira no primeiro trimestre deste ano teve crescimento de 14,1%, registrando US$ 73 milhões no período, frente aos US$ 64 milhões em 2017. No acumulado de 2017, as fabricantes de painéis de madeira comercializaram US$ 289 milhões em chapas.

Os principais destinos das exportações foram América Latina, com crescimento de 11,4% nos três primeiros meses de 2018 em relação a 2017; e América do Norte, com variação positiva de 21,4%. Na África (US$ 3 milhões) e na China (US$ 1 milhões), as vendas continuaram estagnadas. O contrário da Europa (US$ 2 milhões), com crescimento de 100%, e na Ásia/Oceania, (US$ 11 milhões), com aumento de 10%.Ibá - consumo de painéis de madeira em março

Confira os desempenhos recentes da indústria de painéis ao longo dos meses de acordo com os relatórios do Cenários Ibá.

Fevereiro de 2018
– Janeiro de 2018

– Relatório Ibá 2017
– Relatório Ibá 2016

– Dezembro de 2017
– Novembro de 2017
– Outubro de 2017
– Setembro de 2017
– Agosto de 2017
– Julho de 2017
– Junho de 2017
– Maio de 2017
– Abril de 2017
– Março de 2017
– Fevereiro de 2017
– Janeiro de 2017
– Dezembro de 2016
– Novembro de 2016


eMobile

Acompanhe o emobile nas redes sociais

Linkedin
Facebook