Novo Morar em discussão

Mudanças econômicas e no comportamento das pessoas afetam diretamente a decoração e a produção de móveis

Publicado em 3 de Janeiro de 2016 | 9:15 |Por: Frances Baras

Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Hoje há quem case mais tarde, tenha menos filhos ou prefira não se casar. Há quem se separe, há jovens estudantes em busca de independência ou jovens idosos cheios de energia que desejam uma vida mais agitada próxima aos grandes centros. O novo morar é resultado direto da diversidade de comportamentos e das relações humanas.

E as pessoas passaram a sacrificar o tamanho dos cômodos por prioridades como localização, acesso a serviços, opções de lazer e entretenimento. Isso explica a quantidade de apartamentos tipo estúdio na capital paulista e em outras cidades do Brasil.

Divulgação Falkk

novo-morar

Integração de ambientes, como na proposta da Falkk, é solução para espaços menores

O arquiteto André Menin, que atua junto às fabricantes Finger (móveis planejados) e Falkk, relata o lançamento de empreendimentos similares também em Bento Gonçalves (RS).

A procura aumenta junto com a oferta, avalia a publicitária e especialista em tendências, Simone Jacob. “Especialmente se falamos em classes sociais mais altas, em que as famílias diminuem ao longo dos anos”, comenta.

Relação com a casa

Também não se vê mais com tanta frequência as pessoas promovendo grandes encontros e recepções em suas residências. O espaço é montado para o deleite dos próprios habitantes no conceito do novo morar. “E a decoração desse espaço vai custar muito próximo do valor desse apartamento”, avalia Simone.

Divulgação Maxhaus

novo-morar

Compartilhamento dos espaços é tendência do novo morar. O Max Café é um dos serviços de empreendimentos da construtora MaxHaus, em São Paulo

Isso faz com que aumente a demanda pelos serviços dos especificadores e a atenção das empresas fabricantes de móveis – que precisam produzir peças que se adaptem aos ambientes e, ao mesmo tempo, atendam a um consumidor cada vez mais envolvido com a decoração do seu espaço.

“A indústria precisa se adaptar aos novos tempos. Vou produzir uma mesa de oito lugares para quem”, provoca a especialista em tendências.

Leia mais sobre o assunto na edição 113 da Móbile Decore, que está disponível por meio do aplicativo para dispositivos móveis da Alternativa Editorial/Revista Móbile. Baixe em sistema operacional Android ou iOs e confira.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

eMobile