Glaucia Binda ensina arquitetos a decifrar tendências em design de móveis

A convite da S.C.A., especialista abordou business design em Curitiba (PR)

Publicado em 26 de fevereiro de 2019 | 16:45 |Por: Cleide de Paula

A convite da S.C.A. Curitiba, a especialista em design de móveis e design emocional, Glaucia Binda conduziu uma apresentação com o tema “O design emocional como ótica nas feiras internacionais” com o propósito de ensinar os arquitetos a decifrar tendências em design de móveis. O evento ocorreu na sede da S.C.A. em Curitiba, neste 26 de fevereiro.

O proprietário da unidade, Leandro Lorca, aproveitou a oportunidade para anunciar a adesão da loja ao Núcleo Paranaense de Decoração e comunicar o lançamento do programa de fidelidade próprio, futuros lançamentos em consonância com as tendências em design de móveis, além da presença da marca em uma agenda de eventos que inclui o Salão do Móvel de Milão, a Casa Cor Paraná e o Circuito de Arquitetura.

– Scanner de ambientes Sensor Canvas auxilia arquitetos e profissionais de design de interiores

Além de dezenas de arquitetos, o evento contou com a presença do superintendente da S.C.A, Sérgio Manfroi. Em conversa com o Portal eMóbile, o executivo comparou o mindset necessário a indústria moveleira de alto padrão ao de um alfaiate. “A qualificação dos serviços e o projeto adequado são essenciais e se somam ao processo produtivo”, apontou.

Glaucia, que atua no mercado de exploração de tendências em design há mais de 20 anos, levou os participantes a pensarem um projeto de uma casa em 2030 para um casal jovem com dois filhos gêmeos. Ao analisar as sugestões sobre como seria o espaço, a especialista chamou atenção para a necessidade de atentar para aspectos como a forma de trabalhar e de estudar das pessoas daqui a 11 anos.

Crédito: Thiago Rodrigo / Revista Móbile

Leandro Lorca, proprietário da S.C.A Curitiba

Leandro Lorca, proprietário da S.C.A Curitiba abre a palestra “O Design emocional como ótica nas feiras internacionais”.

“Não importa o tamanho, localização ou padrão, em uma casa, se faz quatro coisas: alimentar-se, relaxar-se organizar-se e se entreter”, salientou a especialista.

Glaucia esclareceu as diferenças entre macro e microtendência, orientando que a tendência real é algo de difícil interpretação e tem caráter de anolomalia. “Nas feiras internacionais de móvel e design, normalmente, o que se encontra é uma tradução já feita pelas marcas. No máximo é microtendência”, apontou.

A especialista apresentou várias previsões e indicadores relacionados a aspectos geopolíticos e geoeconômicos. Com base nesses dados e em uma ampla pesquisa que integra o Trend Content, projeto autoral de Glaucia que envolve captura, análise e tradução de macrotendências, a palestrante instigou os arquitetos a refletirem sobre a casa e a sociedade do futuro.

Não deixe de conferir o desdobramento desse tema na matéria que será publicada na edição 40 da revista digital Painel Moveleiro.


Os comentários estão desativados.

eMobile