Arquiteta detalha dicas de decoração na repaginação de quartos infantis

Fernanda Andrade passa conselhos em relação a mudança do visual dos quartos, pensando também no Dia das Crianças

Publicado em 9 de outubro de 2018 | 17:31 |Por: Ricardo Heidegger

Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Seja por falta de espaço em casa/apartamento ou por opção dos pais que priorizam o maior convívio dos filhos e a união entre eles, é comum irmãos dividirem o quarto durante a infância e a adolescência. Para que esse espaço reflita a personalidade de cada um dos ocupantes com harmonia é imprescindível um bom projeto de interiores. Pensando nisso, a arquiteta Fernanda Andrade dá dicas de decoração para repaginar os quartos do público infantil.

Um dos grandes desafios ao projetar esse tipo de espaço é respeitar a individualidade de cada irmão e representá-los. “Normalmente, mantenho a base do quarto mais neutra. Já o mobiliário deve ser pensado como um todo, independente do sexo e idade. Mas pequenos móveis, como os criados, podem ser individualizados”, destaca a arquiteta.

E é na diferença entre os irmãos que a profissional consegue trazer originalidade ao quarto compartilhado. “Sempre converso com os ocupantes sobre cores de preferência, estilos e interesses. A partir daí, uso essas diferenças para compor os detalhes, como adornos, adesivos, papéis de parede, colchas e almofadas”, detalha.

Para manter a organização, a aposta é em coisas simples, mas funcionais. “Para facilitar, lanço mão de gavetões, caixas, cestos, nichos e estantes. Para que o quarto não se torne ultrapassado à medida que os irmãos forem crescendo, a dica é optar por móveis versáteis e marcenaria básica e neutra”, salienta.

– Arauco apresenta padrões de painéis de madeira na Casa Cor Pernambuco

Ao projetar o quarto de irmãos gêmeos adolescentes, uma das dicas de decoração é apostar em algo em comum, a paixão pelos esportes radicais materializada em um papel de parede. Já em um quarto dividido por irmãos de idades diferentes, ela fez escolhas que respeitavam a vontade de cada um e outras que eram compartilhadas entre eles. “No final, ambos amaram o resultado”, finaliza a arquiteta.

(com informações de assessoria)


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

eMobile