Fornecedores 291

Ciclo SUSTEN TÁVEL Criada em 2010, a PNRS prevê a correta gestão de resíduos sólidos na -2&Ú9;8-! $313 !¡;'82!ࣅ=! 6!8! 8'&<A-8 impacto ambiental e gerar recursos POR_ PEDRO LUIZ DE ALMEIDA Gestão E m 2010, foi criada a Polí- tica Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), que impõe obrigações ao governo, às empresas e aos cidadãos, no que se refere ao gerenciamento de resíduos sólidos. Desde então, o programa passou a nortear os cuidados de re- síduos como um meio para as enti- dades respeitarem o meio ambiente, mas sem impedir a competitividade das mesmas. A Lei 12.305, de 2 de agosto de 2010, que instaura a PNRS, define re- síduos sólidos como “todo material, substância, objeto ou bem descarta- do resultante de atividades humanas em sociedade, cuja destinação final se procede, se propõe proceder ou se está obrigado a proceder, nos estados sólido ou semissólido, bem como ga- ses contidos em recipientes e líquidos cujas particularidades tornem inviável o seu lançamento na rede pública de esgotos ou em corpos d’água, ou exijam para isso soluções técnica ou economicamente inviáveis em face da melhor tecnologia disponível”. Ou seja, os resíduos sólidos são ma- teriais que possuem um valor econô- mico, podendo ser reciclados e/ou re- aproveitados. Esses resíduos recebem classificações de acordo com origem e motivos que o levaram a ser rejeita- do. Na indústria moveleira, a gestão de resíduos deve ser praticada não somente como uma forma de respei- to à lei, mas também como meio de pensar um método produtivo mais sustentável e econômico. Segundo a engenheira ambiental da Fundação Proamb, Carolina Pereira, o programa tem por objetivo estabele- cer sistemáticas para atender as legis- lações ambientais quanto ao geren- ciamento dos resíduos sólidos gerados em todos os processos e áreas da em- presa. Sendo que a lei estabelece que o gerenciamento de resíduos sólidos consista em um conjunto de ações exercidas direta ou indiretamente, nas etapas de coleta, transporte, transbor- do, tratamento e destinação final am- bientalmente adequada dos resíduos sólidos e rejeitos. A especialista explica que, a partir da PNRS, o destino dos resíduos no Bra- sil passou a ter maior importância. A destinação incorreta de resíduos, além das muitas consequências ambientais, pode acarretar em multas e penas de reclusão aos responsáveis. Resídu- os acondicionados e descartados de maneira incorreta ficam susceptíveis ao manuseio, a procriação de vetores de doenças, a vazamentos, a ação de intempéries e, portanto, a possível lixiviação e transporte de resíduos e contaminantes causando alterações na qualidade do solo e água. “Resíduos industriais gerados nos processos produtivos e instalações in- '9;È3 &' 8'9Ð&<39 9Õ£-&39 Ì <1! 3638;<2-&!&' &' ! -2&Ú9;8-! 13='£'-8! !£$!2%!8 #329 8'9<£;!&39T 8'96'-;!8 3 1'-3 !1#-'2;' ' 9' 1!2;'8 $316'ধধ=! 23 1'8$!&3 iStock 16 FORNECEDORES | 291

RkJQdWJsaXNoZXIy MTY1NDE=